Trump diz estar disposto a trabalhar com a China por vacina contra Covid-19

"Estamos dispostos a trabalhar com qualquer pessoa que nos dê um bom resultado", disse o presidente dos EUA

Reuters
21 de julho de 2020 às 21:32
O presidente dos EUA, Donald Trump, em Washington
Foto: Leah Millis/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, expressou nesta terça-feira (21) estar disposto a trabalhar com a China ou quaisquer outras nações para trazer uma vacina bem-sucedida contra a Covid-19 aos EUA, apesar das tensões crescentes entre Pequim e Washington.

"Estamos dispostos a trabalhar com qualquer um que nos dê um bom resultado", disse Trump, quando questionado se o seu governo colaboraria com a China em uma vacina para os americanos, se os chineses forem ou não os primeiros a conseguir desenvolvê-la. 

A declaração acontece um dia depois de pesquisadores dizerem que a vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela CanSino Biologics em conjunto com a unidade de pesquisa militar chinesa parece ser segura e induzir respostas imunes na maioria dos participantes da etapa do meio dos testes clínicos. 

Leia também:

Rússia espera iniciar fase 3 de testes de vacina contra Covid-19 em agosto

Astrazeneca diz que pode ter vacina contra Covid-19 a partir de setembro

A candidata da CanSino é uma dentre as que se mostraram promissoras nos exames preliminares. Outras que estão se preparando para mais análises incluem a da americana Moderna e da alemã BioNTech em conjunto com a Pfizer. 

Dados dos testes combinados da primeira e segunda fase da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a britânico-sueca AstraZeneca também foram divulgados nesta segunda-feira. 

Há tempos, Trump tem culpado a China por conduzir mal a pandemia do novo coronavírus, que se originou na cidade de Wuhan e avançou pelos Estados Unidos, matando mais de 140 mil americanos e apressando a corrida por uma vacina viável. 

"Acredito que teremos alguns bons resultados. Nós já estamos testando. Ninguém achou que isso seria possível", disse o presidente. "Eu acho que vamos ver algo em um curto período de tempo, talvez muito curto, relacionado a tratamentos e vacinas".