Líderes mundiais enviarão vídeos ao invés de irem até a Assembleia-Geral da ONU

A medida abre caminho para a participação de pessoas preocupadas em viajar para os Estados Unidos, como o governante norte-coreano Kim Jong-un

Reuters
22 de julho de 2020 às 22:04 | Atualizado 22 de julho de 2020 às 22:05
Secretário-geral da ONU, António Guterres, discursa na abertura da Assembleia-Geral de 2019
Foto: Brendan McDermid/Reuters (24.set.2019)

Os líderes mundiais vão mandar vídeos em vez de se reunir fisicamente na sede da ONU (Organização das Nações Unidas) em setembro devido à pandemia do novo coronavírus, decidiu a Assembleia-Geral nesta quarta-feira (22).

A medida abre caminho para a participação de pessoas preocupadas em viajar para os Estados Unidos, como o governante norte-coreano Kim Jong-un.

A reunião anual seria uma celebração de uma semana do 75º aniversário do órgão mundial, mas o secretário-geral da ONU, António Guterres, sugeriu em maio que os líderes enviassem pronunciamentos por vídeos devido a possíveis problemas de viagem.

Leia também:

Após meses, Conselho de Segurança da ONU apoia pedido de trégua durante pandemia

A Assembleia-Geral de 193 membros concordou com as medidas especiais.

"Cada Estado-Membro, Estado Observador e a União Europeia podem enviar uma declaração pré-gravada de seu chefe de Estado, vice-presidente, príncipe herdeiro ou princesa, chefe de governo, ministro ou vice-ministro, que será representado na Assembleia-Geral... após a apresentação de seu representante que estiver fisicamente presente", de acordo com a decisão.

Tradicionalmente, centenas de eventos também são realizados à margem do debate da ONU, mas o presidente da Assembleia-Geral, Tijjani Muhammad-Bande, escreveu em uma carta aos Estados que "todos os eventos paralelos foram transferidos para plataformas virtuais a fim de limitar a presença e o número de pessoas no prédio da ONU".

O novo coronavírus infectou pelo menos 15 milhões de pessoas e houve mais de 620 mil mortes registradas em todo o mundo, de acordo com contagem da Universidade Johns Hopkins. Nova York chegou a ser um epicentro global do vírus, que surgiu na China no final do ano passado.