Premiê britânico diz que país se livrará do novo coronavírus até meados de 2021

Boris Johnson afirmou que o Reino Unido sairá da pandemia 'mais forte que nunca', mas disse temer uma segunda onda de casos de Covid-19

Reuters
24 de julho de 2020 às 11:22
Premiê britânico, Boris Johnson, durante visita a centro médico em Londres
Foto: Jeremy Selwyn -24.jul-2020/ Reuters

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse, nesta sexta-feira (24), acreditar que o país terá superado a crise do novo coronavírus até meados de 2021, mas que teme um segundo pico que poderia sobrecarregar o serviço de saúde.

"Quer tenha vindo de... um morcego, um pangolim, ou seja lá como for que surgiu, foi uma coisa muito, muito ruim para a raça humana. E acho que na metade do ano que vem estaremos nos livrando disso", disse ele aos repórteres.

"Este país voltará mais forte do que nunca, [mas] ainda temos a ameaça de um segundo pico".

O premiê disse que torce para que todos tomem a vacina contra gripe para diminuir a pressão sobre o serviço de saúde durante os meses de inverno.

"Existem todos esses ativistas antivacina agora", disse ele a profissionais médicos. "Eles são malucos, eles são malucos."

Assista e leia também:

Boris Johnson diz que não pode garantir vacina contra Covid-19 até fim do ano

Após críticas por ‘priorizar bares’, Inglaterra prepara reabertura de escolas

No ano transcorrido desde que se tornou premiê britânico, Johnson obteve uma grande vitória eleitoral, cumpriu a promessa de tirar o Reino Unido da União Europeia – o Brexit – e quase morreu de Covid-19.

Mas partidos de oposição dizem que ele demorou demais para impor um isolamento, foi incapaz de identificar casas de repouso como vulnerabilidades, arruinou o sistema de exames e rastreamentos e não demitiu seu principal assessor, Dominic Cummings, por viajar durante o isolamento.

Falando um ano depois de se tornar premiê, Johnson disse que sua experiência mostrou que o governo precisa "agir mais rapidamente e ter mais atenção às necessidades do povo".

Ele mencionou as dificuldades de obtenção de passaportes e certidões de nascimento e um acúmulo de casos judiciais no sistema britânico. "Às vezes o governo é lento. Estamos aprendendo o tempo inteiro", disse Johnson à imprensa, ao refletir sobre seu ano no poder.

Ele acrescentou o Reino Unido vai apresentar propostas sobre programas sociais para proteger as pessoas do risco de ter que vender a casa para cuidar da saúde.

Quando lhe perguntaram por quanto tempo as pessoas terão que usar máscaras, Johnson respondeu que contará com o bom senso do povo britânico, mas não quis especular um prazo para o relaxamento das medidas contra a Covid-19.