Paraguai flexibiliza quarentena em região fronteiriça com Brasil após protestos

Endurecimento de medidas para conter Covid-19 gerou protestos com dezenas de detidos

Reuters
30 de julho de 2020 às 16:47
A Ponte da Amizade, entre Brasil e Paraguai
Foto: Christian Rizzi/Reuters

O governo paraguaio flexibilizou nesta quinta-feira (30) a quarentena rígida que havia imposto em Alto Paraná, um departamento que faz divisa com o Brasil e foi fortemente afetado pelo novo coronavírus, após uma noite de protestos que deixou dezenas de detidos.

O ministro da Saúde Pública, Julio Mazzoleni, disse que combinou com o departamento situado na zona da Tríplice Fronteira com Brasil e Argentina suavizar a medida anunciada na véspera, que visava conter a disseminação do vírus e aliviar os serviços de saúde.

Leia também:

Brasil reabre fronteiras aéreas para turistas

Apreensão de contrabando na fronteira com o Paraguai cresce 33% no 1º semestre

O anúncio de quarta-feira (29) sobre o retrocesso para a fase zero do isolamento causou revolta nos habitantes de Ciudad del Este, capital departamental e principal centro comercial do país, que se congregaram para protestar no centro da localidade.

Imagens de veículos de mídia locais mostraram um grupo de manifestantes atacando um caminhão que acabou em chamas perto da ponte internacional com o Brasil e forçando a entrada em uma instalação comercial local em uma área onde ocorreram saques. A polícia deteve cerca de 60 pessoas, disse a procuradoria.

Após uma reunião com autoridades regionais na quinta-feira, Mazzoleni disse que agora os negócios terão autorização para operar durante o dia. "Existem, porém, estabelecimentos arriscados que combinamos não incluir nestas duas semanas, como serviços de restaurantes e academias de ginástica", disse.

A maior parte do resto do país retomou a atividade econômica, mas grandes eventos continuam proibidos, as aulas presenciais suspensas e as fronteiras fechadas.

O Paraguai acumula 4.866 casos de coronavírus e 46 mortos. Segundo dados oficiais, Alto Paraná concentra mais de 40% dos casos e 33% das mortes.