Julgamento de autor do massacre de Christchurch começa na segunda-feira

Suprema Corte ouvirá as declarações de 66 sobreviventes do ataque no início da semana e Tarrant, que se declarou culpado, provavelmente estará presente

Praveen Menon, da Reuters
21 de agosto de 2020 às 04:07 | Atualizado 21 de agosto de 2020 às 04:08
Brenton Tarrant em Corte neozelandesa
Foto: TVNZ/ Reprodução

Um tribunal da Nova Zelândia iniciará audiências na próxima segunda-feira (24) sobre a sentença do supremacista branco acusado de matar 51 muçulmanos no massacre em uma mesquita na cidade de Christchurch, em 15 de março de 2019.

Brenton Tarrant, um cidadão australiano, atacou muçulmanos que compareciam às orações de sexta-feira na cidade de Christchurch, na Ilha do Sul, com armas semiautomáticas e transmitindo o tiroteio ao vivo no Facebook.

Leia também:
Com baixa de casos de Covid-19, Pequim retira exigência de uso de máscaras

Tarrant se declarou culpado de todas as acusações em março, que incluem 51 acusações de assassinato, 40 de tentativa de homicídio e uma acusação de cometer um ato terrorista.

O juiz da Suprema Corte, Cameron Mander, ouvirá as declarações de 66 sobreviventes do ataque no início da semana e Tarrant provavelmente estará presente no tribunal. Tarrant terá permissão para falar com o tribunal antes da sentença.

O ataque levou à proibição de armas de fogo na Nova Zelândia e a uma campanha contra conteúdo de ódio na internet liderada pela primeira-ministra Jacinda Ardern, uma resposta que foi saudada como modelo para outros países.

"Esta será a aceitação de sua culpa e o reconhecimento de sua punição", disse Aliya Danzeisen, uma líder comunitária e membro do Conselho de Mulheres Islâmicas da Nova Zelândia.

"Obviamente, ele poderia apelar, mas para as famílias esse será o fechamento no sentido de que ele nos causou danos e está tendo que pagar por isso", disse Danzeisen, que estará no tribunal com um amigo que foi vítima do ataque .

O juiz Mander disse em uma ordem emitida no início deste mês que o tribunal tem poderes discricionários para proibir a publicação de depoimentos das vítimas, se necessário, e também garantir que não seja usada como plataforma para causar mais danos.

Tarrant pode ser sentenciado a prisão perpétua, com um período sem liberdade condicional de 17 anos. Mas o juiz tem o poder de decidir sobre sua prisão sem possibilidade de libertação, o que significa que Tarrant seria preso pelo resto de sua vida. Tal sentença nunca foi imposta na Nova Zelândia.