Jacob Blake, homem negro baleado nos EUA, está paralisado da cintura para baixo

Jacob Blake foi atingido nas costas várias vezes; ele permanece internado na UTI

da CNN
25 de agosto de 2020 às 15:27 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 20:47
 
Jacob Blake, o norte-americano negro, baleado na frente dos filhos por um policial branco, está paralisado da cintura para baixo. A informação foi confirmada pelo pai dele, Jacob Sr., à CNN nesta terça-feira (25). Ainda não se sabe se a condição é permanente.

Blake, de 29 anos, foi atacado pela polícia na noite de domingo (23), ao tentar entrar no próprio carro, na cidade de Kenosha, no estado norte-americano do Wisconsin. Dentro do veículo, estavam os filhos de três, cinco e oito anos, além da esposa de Jacob. 

Bastante ferido, ele foi levado para um hospital em Milwaukee e está internado na UTI desde então.

Leia também:

‘Negros estão assustados nos EUA’, diz LeBron James após caso no Wisconsin

Advogado da família de George Floyd defenderá homem negro baleado no Wisconsin

Jacob Blake e seus três filhos
Foto: Reprodução/Twitter @AttorneyCrump (24.ago.2020)

Kenosha amanheceu sob protestos nesta terça-feira, pelo segundo dia consecutivo. Manifestantes tomaram as ruas desde que vídeos do ocorrido começaram a circular nas mídias sociais. 

Nas gravação, dois policiais seguem Blake enquanto ele anda ao redor de um SUV cinza. Quando ele chega à porta do motorista e a abre, o agente mais próximo agarra a camiseta dda vítima e sete tiros são ouvidos, seguidos por um som contínuo de uma buzina. Dois policiais foram suspensos.

O caso ocorre após a grande onda de protestos contra a violência policial nos Estados Unidos, incluindo a ações que mataram George Floyd e Breonna Taylor.

Na noite dessa segunda (24), vários estabelecimentos estavam em chamas em Kenosha, e o governador do estado, Tony Evers, chamou a Guarda Nacional para ajudar a "proteger infraestrutura crítica, como a de serviços e do corpo de bombeiros e garantir que o povo de Kenosha possa se reunir em segurança". 

(Com informações de Eliott C. McLaughlin e Christina Maxouris, da CNN Internacional)