Caso Jacob Blake: o que se sabe sobre o homem negro baleado nos EUA

Protestos por justiça racial retornaram aos Estados Unidos após caso ocorrido em Kenosha

Nicole Chavez, da CNN
27 de agosto de 2020 às 11:47 | Atualizado 27 de agosto de 2020 às 17:30
Jacob Blake e seus três filhos
O norte-americano Jacob Blake com os filhos
Foto: Ben Crump / Twitter

Dias depois que Jacob Blake foi baleado por um policial em Kenosha, no estado norte-americano de Wisconsin, e grandes protestos voltaram a ser registrados nos Estados Unidos, autoridades revelaram mais informações sobre o caso.

A apuração foi assumida rapidamente pelo Departamento de Justiça de Wisconsin e uma investigação federal de direitos civis foi iniciada, mas até agora nem Blake e nem a família dele receberam informações a respeito, disseram os advogados deles.

“Exigimos transparência nessas circunstâncias. A família, a comunidade, o estado de Wisconsin e o país, todos merecem respostas”, afirmou o advogado B'Ivory LaMarr à CNN. “Os agentes devem ser nomeados, mas mais importante, eles devem ser acusados.”

Assista e leia também:
Jogos da NBA nesta quarta são adiados por protesto por justiça racial nos EUA
‘Será preciso um milagre para ele andar de novo’, diz advogado de Jacob Blake
Caso Jacob Blake: Wisconsin convoca Guarda Nacional em meio a protestos
Wisconsin tem 3º dia de protestos após homem negro ser baleado em ação policial

Jacob Blake, homem negro de 29 anos, ficou parcialmente paralisado pois a bala causou danos à medula espinhal dele, e ainda lida com diversos outros ferimentos.

O que dizem o estado e as autoridades locais?

Sobre o caso

Os policiais de Kenosha foram acionados por causa de um incidente doméstico por volta das 17h11 (19h11 em Brasília) de domingo (23), informou a corporação. Uma mulher ligou dizendo que “o namorado dela estava presente e não deveria estar no local”, de acordo com investigadores da Divisão de Investigação Criminal do Departamento de Justiça de Wisconsin.

Quem atendeu à ligação disse que a pessoa afirmou que o homem se chamava Blake, “não deveria estar ali” e se recusou a sair. Mais tarde, o atendente explicou que não tinha mais detalhes a respeito porque quem ligou não cooperou com as investigações.

Quando os policiais chegaram ao local, tentaram prender Blake e utilizaram um taser (arma de choque) na tentativa de pará-lo. Blake então caminhou em volta de seu veículo, “abriu a porta do lado do motorista e se inclinou para dentro” do carro, contou a agência.

A polícia afirmou que cerca de cinco minutos depois do relato inicial, a delegacia recebeu relatos de disparo de tiros.

Um agente segurou Blake pela camiseta e disparou sete vezes nas costas dele. “Nenhum outro policial disparou”, informou o departamento.

A corporação disse que os policiais prestaram ajuda antes de Blake ser levado para o Hospital Froedtert, em Milwaukee. As autoridades não deram mais detalhes do ocorrido.

Sobre os policiais

Dois agentes de Kenosha foram colocados em licença administrativa. Um deles é Rusten Sheskey, identificado como o policial que disparou contra Blake quando este tentou entrar no próprio carro. Sheskey está na corporação há sete anos.

O sindicato de policiais local pediu à população para não fazer julgamentos até que a investigação estadual esteja completa.

Os policiais de Kenosha não usam câmeras instaladas nos uniformes, disse o prefeito John Antaramian no começo desta semana. Já os veículos dos agentes contam com câmeras no painel, mas ainda não se sabe se há um vídeo gravado por esses dispositivos.

O que as imagens mostram?

Um vídeo feito por uma pessoa que estava do outro lado da rua mostra um homem negro caminhando em frente a um modelo SUV cinza, enquanto dois policiais o seguiam logo atrás. Um dos agentes parecia apontar a arma para as costas de Blake.

Enquanto Blake entra no carro, o policial que estava mais próximo agarrou a camiseta dele e disparou sete vezes.

Raysean White, o homem que gravou o vídeo, contou à CNN que viu Blake sair da SUV, aproximar-se do filho, que estava no gramado, e dizer para ele entrar no carro, enquanto caminhava em direção a um prédio.

White se afastou, mas quando voltou disse que viu os policiais com Blake. “Um deles estava dando um mata-leão e batendo nele na costela. O outro também o segurava pelo outro lado, pelos braços”, contou.

“Depois de baterem nele na costela, a policial usou o taser contra ele e Jacob meio que se inclinou em direção ao carro. Eles o seguraram e o levaram para atrás do veículo. Quando estavam do outro lado do carro, no chão, peguei minha câmera e comecei a gravar.”

Um segundo vídeo obtido pela CNN mostra Blake com os policiais atrás da SUV com um grupo de pessoas por perto. As imagens mostram que Blake anda na frente do carro seguido por dois policiais e chegam à porta do motorista momentos antes dos disparos.

Ainda não se sabe o que desencadeou a abordagem, mas o vídeo mostra um ponto de vista diferente do momento que antecede os disparos.

“Como sempre, o vídeo que circula atualmente não captura todas as complexidades do incidente altamente dinâmico. Pedimos que vocês evitem fazer julgamentos até que todos os fatos sejam conhecidos e divulgados”, afirmou Pete Deates, presidente da Associação de Polícia Profissional de Kenosha.

O que dizem a família de Blake e os advogados?

Enquanto Blake continua hospitalizado e sem poder falar muito, a família dele e os advogados que os representam discutem alguns detalhes relacionados ao caso.

Sobre o que aconteceu antes dos disparos

Ben Crump, advogado especializado em direitos civis que representa a família de Blake, disse que o policial atirou em seu cliente depois que ele tentou separar uma briga entre duas mulheres.

Os agentes “sacaram suas armas e usaram o taser contra ele” antes de “dispararem várias vezes nas costas à queima-roupa”, disse Crump. Três filhos de Blake estavam dentro do veículo quando ele foi baleado.

“Eles atiraram no meu filho sete vezes, sete vezes. Como se ele não importasse. Mas meu filho importa”, afirmou o pai da vítima, Jacob Blake, a jornalistas. “Ele é um ser humano e importa.”

O relatório da polícia indica que Blake disse aos agentes que ele tinha uma faca com ele. Os investigadores depois “recuperaram uma faca no assoalho do lado do motorista” no carro de Blake e nenhuma outra arma foi encontrada, segundo a agência.

Mas Patrick Salvi Jr., outro advogado que representa a família Blake, contou à CNN que ele não tinha qualquer arma no carro. “A ideia de que ele estava indo no veículo para começar algum tipo de briga com os policiais armados é basicamente absurda”, disse Salvi.

Crump afirmou que os vídeos gravados do momento dos disparos mostram que Blake “nunca ataca os policiais”. “O que vemos é muito claro, se há uma briga, ele não está avançando em direção ao agente, ele não está fazendo nada para atacar o policial. Ele está tentando sair dali”, afirmou.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês.)