Líder de atos em Belarus é detida tentando entrar na Ucrânia, dizem autoridades

Maria Kolesnikova é uma das lideranças dos protestos que tomam o país contra o Lukashenko. Na véspera, aliados haviam dito que ela fora sequestrada

Maria Kiselyova, Vladimir Soldatkin e Alexander Marrow, da Reuters
08 de setembro de 2020 às 04:58 | Atualizado 08 de setembro de 2020 às 04:59
 

Maria Kolesnikova, uma das líderes dos protestos contra Lukashenko em Belarus, foi detida enquanto tentava entrar na Ucrânia nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (8), disse uma autoridade da fronteira bielorrussa à Reuters, um dia depois que seus aliados disseram que ela havia sido agarrada na rua por homens mascarados.

As circunstâncias de sua tentativa de viagem à Ucrânia não foram imediatamente claras, com alguns relatos da mídia sugerindo inicialmente que ela havia cruzado a fronteira, algo que os guardas de ambos os lados negaram mais tarde.

O movimento de oposição disse na segunda-feira que homens mascarados detiveram Kolesnikova no centro de Minsk e a levaram em uma van, enquanto dois outros ativistas desapareceram depois.

Leia também:
Belarus revoga credenciais de 19 jornalistas e deporta repórteres

Em meio a protestos, líder de Belarus diz que não haverá eleições até sua morte

"Kolesnikova agora foi detida, não posso dizer concretamente onde ela está, mas foi detida", disse Anton Bychkovsky, representante do serviço de fronteira de Belarus, à Reuters por telefone.

"Ela foi detida em conexão com as circunstâncias em que eles (o grupo) deixaram o território de Belarus", disse ele.

A agência de notícias oficial Belta disse que ela estava viajando com os outros dois ativistas que chegaram à Ucrânia. Kolesnikova não foi encontrado para comentar o assunto.

Belta relatou que o carro de Kolesnikova acelerou bruscamente após ser confrontado por um guarda de fronteira.

"Kolesnikova estava fora do veículo. Na verdade, ela foi empurrada para fora dele e ele continuou se movendo em direção ao lado ucraniano", disse Belta, segundo o serviço de fronteira.

A polícia de Minsk foi citada pela agência de notícias russa Interfax como tendo dito na segunda-feira que não havia detido Kolesnikova.

Kolesnikova, membro do conselho de coordenação da oposição, foi a última das três mulheres políticas restantes na Bielo-Rússia que uniram forças antes das eleições presidenciais de 9 de agosto para tentar desafiar o veterano Aleksandr Lukashenko.