Michael Bloomberg investirá US$ 100 milhões na Flórida para ajudar Joe Biden

Trevor Hunnicutt, da Reuters
13 de setembro de 2020 às 17:53
Joe Biden (esq.) e Michael Bloomberg (dir.): antes rivais, agora aliados
Foto: Reprodução / CNN

O bilionário Michael Bloomberg, que gastou US$ 1 bilhão em sua candidatura democrata de 2020 antes de desistir, planeja injetar pelo menos US$ 100 milhões para ajudar o esforço do democrata Joe Biden contra o presidente republicano Donald Trump no importante e indeciso Estado da Flórida.

A decisão veio no momento em que a supremacia financeira inicial de Trump sobre o ex-vice-presidente Biden no início deste ano evaporou depois de altos gastos com a campanha e um aumento na arrecadação de fundos pelos democratas.

A Flórida é um dos maiores prêmios no dia da eleição e também o mais caro dos campos de batalha esperados para fazer campanha. Mas as pesquisas mostram uma corrida que está efetivamente empatada.

Leia também:
Nomeados por Trump alteraram documentos do CDC por razões políticas
'Não queria causar pânico', diz Trump após admitir que minimizou a Covid-19

O presidente republicano, que segue Biden nas pesquisas de opinião nacionais antes da eleição de 3 de novembro, disse a repórteres na semana passada que gastaria seu próprio dinheiro, se necessário.

"Achei que Mini Mike tinha acabado com a política democrata", disse Trump no Twitter em reação à notícia. "Em vez disso, salve NYC."

A campanha de reeleição de Trump e o Comitê Nacional Republicano disseram na quarta-feira que arrecadaram US$ 210 milhões em agosto, ficando muito aquém do recorde de Biden de US$ 364,5 milhões no mês.

"Mike Bloomberg está comprometido em ajudar a derrotar Trump, e isso vai acontecer nos Estados do campo de batalha", disse o conselheiro da Bloomberg Kevin Sheekey, que afirmou que os gastos "significam que os democratas e a campanha de Biden podem investir ainda mais pesadamente em outros Estados importantes, como Pensilvânia, que será fundamental para uma vitória de Biden."