Yoshihide Suga é eleito novo premiê do Japão, em sucessão a Shinzo Abe


Elaine Lies e Linda Sieg, da Reuters
16 de setembro de 2020 às 02:11 | Atualizado 16 de setembro de 2020 às 02:15
Yoshihide Suga

Yoshihide Suga, o novo primeiro-ministro japonês

Foto: Twitter/ Reprodução

Yoshihide Suga foi eleito o novo primeiro-ministro do Japão nesta quarta-feira (16), em votação da Câmara Baixa do Parlamento do país. Ele assume o poder com a expectativa de governar com um "gabinete de continuidade", que deve manter cerca de metade da escalação do antecessor Shinzo Abe.

Suga, 71 anos, foi o braço direito de Abe por muito tempo e prometeu seguir muitos dos programas de seu antecessor, incluindo sua estratégia econômica com avanço em reformas estruturais, incluindo desregulamentação e simplificação da burocracia.

Leia também:
O que se sabe sobre a saúde de Shinzo Abe, que anunciou renúncia no Japão

Com lançamento previsto para 2023, carro voador japonês tem sucesso em teste

Abe, mais longevo premiê do Japão, anunciou em agosto que renunciaria devido a problemas de saúde. Suga serviu sob seu comando no posto central de secretário-chefe do gabinete.

O novo premi~e obteve 314 votos em 462 dos membros da Câmara Baixa, que tem precedência na eleição de um primeiro-ministro sobre a Câmara Alta, que também deveria escolher Suga por causa de uma maioria do bloco governante.

Suga, que venceu a corrida pela liderança do Partido Liberal Democrático (LDP) por uma votação esmagadora na segunda-feira, enfrenta uma infinidade de desafios, incluindo enfrentar a Covid-19 enquanto enfrenta uma economia abalada e lida com uma sociedade que envelhece rapidamente.

Com pouca experiência diplomática direta, o novo premiê também deve lidar com uma intensificação do confronto EUA-China, construir laços com o vencedor da eleição presidencial de 3 de novembro nos EUA e tentar manter as próprias relações do Japão com Pequim nos trilhos.

A mídia doméstica disse que cerca de metade do novo gabinete será formado por pessoas do gabinete de Abe. Haverá apenas duas mulheres e a idade média, incluindo Suga, é de 60 anos.

Entre os que devem manter seus empregos estão importantes nomes da política japonesa, como o ministro das Finanças Taro Aso e o ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, junto com o ministro das Olimpíadas Seiko Hashimoto e o ministro do Meio Ambiente Shinjiro Koizumi, o mais jovem com 39 anos.

"É um gabinete de 'Continuidade com C maiúsculo'", disse Jesper Koll, consultor sênior da administradora de ativos WisdomTree Investments.

O irmão mais novo de Abe, Nobuo Kishi, provavelmente será escolhido para a pasta de defesa, enquanto o ministro da Defesa cessante, Taro Kono, ficará encarregado da reforma administrativa, cargo que ocupou antes.

Yasutoshi Nishimura, o encarregado de Abe na resposta à pandemia de Covid-19, permanecerá como ministro da Economia, enquanto o ministro do Comércio e Indústria Hiroshi Kajiyama, filho de um político a quem Suga olhou como seu mentor, também manterá seu posto, informou a mídia.