Bolívia: governo interino declara emergência nacional por incêndios

Presidente interina também anunciou a revogação de normas emitidas pelo ex-presidente Evo Morales, que liberava queimadas controladas

Abel Alvarado, da CNN
17 de setembro de 2020 às 08:46
Presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez
Foto: David Mercado - 13.mar.2020 / Reuters

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, disse nessa quarta-feira (16) que aprovou um decreto que estabelece emergência nacional por causa dos incêndios que estão arrasando várias partes do país.

“A atenção do incêndio como emergência nacional vai nos permitir atuar sem travas burocráticas e mobilizando todos os recursos para que o fogo não avance, para frear as chamas, e assim teremos a oportunidade e a chance de cuidar da nossa flora e fauna”, afirmou Áñez, durante um evento em Santa Cruz.

Assista e leia também:
Área queimada no Pantanal equivale a 3 milhões de estádios do Maracanã
Bolívia: Tribunal Eleitoral mantém 18 de outubro como data limite para eleição
Bolívia encerra ano letivo por pandemia e falta de condições para ensino virtual
Senado instala comissão temporária para acompanhar incêndios no Pantanal

A líder interina anunciou também a revogação de normas emitidas pelo ex-presidente Evo Morales em julho de 2019, que deram sinal verde para as queimadas controladas para atividades de agricultura e pecuária, em terras privadas e comunitárias, nos departamentos de Santa Cruz e Beni.

De acordo com o governo, cerca de 500 mil hectares do país estão sendo afetados pelos incêndios. O departamento mais impactado é Santa Cruz, onde fica a região de Chiquitanía, área entre a Amazônia e Chaco, que em 2019 foi muito afetada por incêndios florestais.

(Texto traduzido. Leia o original em espanhol.)