Indiano é acusado de cortar barriga de esposa grávida para checar o sexo do bebê

Homem rasgou a barriga de sua mulher com uma foice, deixando-a gravemente ferida e causando a morte do feto

Saruabh Sharma da Reuters
21 de setembro de 2020 às 16:53

Na Índia, médicos não podem revelar o sexo do feto para os pais

Foto: REUTERS/Mansi Thapliyal

Um homem foi preso no Norte da Índia após fazer um corte, com uma foice, na barriga da esposa grávida, deixando a mulher seriamente doente e causando a morte do bebê ainda não nascido.

Segundo a polícia de Budaun, a mulher está em tratamento intensivo em um hospital da capital indiana, Nova Delhi.

O irmão da vítima contou aos investigadores que o marido queria saber o sexo do bebê. O casal já tinha cinco filhas.

“Ele a atacou com uma foice e rasgou sua barriga dizendo que queria checar o gênero do feto”, disse o irmão da mulher, Golu Singh, à Reuters.

O homem foi preso no fim de semana.

Leia também:
Índia: Após 6 meses fechado, Taj Mahal é reaberto com limitação de público
Índia: desabamento de prédio em Bombaim deixa ao menos 8 mortos
Índia fecha acordo e receberá 100 milhões de doses da vacina russa Sputnik V

Filhas são vistas, frequentemente, como um fardo na Índia, onde as famílias geralmente pagam dotes quando elas se casam, enquanto os homens são celebrados como os chefes de família, que herdam as propriedades e passam o nome da família adiante.

Abortos de fetos femininos foram banidos na Índia, onde a preferência por meninos levou a uma diminuição no número de meninas.

De acordo com uma pesquisa do governo divulgada em julho, a razão entre gêneros na Índia, ou seja, ou número de mulheres a cada 1000 homens, estava em 900 entre 2013 e 2015.

As leis indianas proíbem médicos e profissionais da saúde de compartilharem o sexo de uma criança não nascida com os pais, ou de fazer testes que determinem o gênero da criança.