Iata sugere testagem obrigatória para Covid-19 antes de embarque internacional

A medida é uma alternativa à quarentena exigida por alguns países aos passageiros vindos do exterior

Gustavo Lago, da CNN em São Paulo
24 de setembro de 2020 às 11:04 | Atualizado 24 de setembro de 2020 às 11:07

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês) sugeriu a implementação de testes rápidos de Covid-19, antes do embarque, a todos os passageiros de voos internacionais para acelerar a recuperação do setor.

De acordo com a entidade, mesmo com a retomada parcial da malha aérea no mundo, as viagens internacionais estão 92% abaixo dos níveis de 2019.

Alguns governos que abriram suas fronteiras exigem quarentena aos passageiros vindos do exterior como medida para impedir a propagação do vírus – o que deixa a retomada ainda muito lenta, segundo a associação.

França e Portugal são países que exigem dos passageiros o exame negativo de Covid-19 para permitir a entrada em seus territórios.

Pesquisa feita pela IATA revela que 84% concordaram que todos os viajantes devem fazer o teste e 88% disseram estar dispostos a fazer o teste como parte do processo de viagem.

Leia também:

Empresa aérea faz testes de COVID-19 em passageiros antes do embarque

Chances de pegar Covid-19 em avião são menores do que se pensa, dizem cientistas

"A saída para restaurar a liberdade da mobilidade entre as fronteiras é o teste sistemático de COVID-19 de todos os viajantes antes do embarque. O teste de todos os passageiros garante às pessoas a liberdade de viajar com confiança", afirmou Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

A IATA representa cerca de 290 empresas aéreas que abrangem 82% do tráfego aéreo global. O documento emitido por ela tem poder de recomendação às empresas associadas.

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), em agosto de 2020, houve queda de 92,1% na demanda por voos internacionais, em relação ao mesmo período do ano passado. E redução de 67,5% na demanda por voos domésticos.

No acumulado do ano, a retração de passageiros transportados chega a 94,2% para voos internacionais; e 72,1% para voos dentro do País.

A CNN procurou as três maiores companhias brasileiras para comentar o assunto. Até o momento, apenas LATAM respondeu:

"A LATAM Airlines Brasil entende como positivas medidas que minimizem os riscos de contágio pelo Coronavírus e assegurem a saúde dos passageiros. Esse tipo de iniciativa ainda pode auxiliar para que o processo de reabertura de fronteiras dos países aconteça de forma segura”