Em reunião tensa da ONU, China diz que EUA 'já criaram problemas suficientes'

Em reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, embaixador chinês reagiu após representante americana culpar país por propagação da Covid-19

Hira Humayun e Zamira Rahim, da CNN
25 de setembro de 2020 às 02:40
Zhang Jun, embaixador da China nas Nações Unidas
Foto: Twitter/ Reprodução

O embaixador da China nas Nações Unidas disse, nesta quinta-feira (24), que os EUA "já criaram problemas suficientes para o mundo", durante uma reunião tensa do Conselho de Segurança da ONU, realizada virtualmente..

A representante dos EUA na ONU Kelly Craft criticou a China sobre o que ela disse ser uma "decisão de esconder as origens do novo coronavírus, minimizar seu perigo e suprimir a cooperação científica." Craft afirmou que as ações de Pequim "transformaram uma epidemia local em uma pandemia global".

Leia e assista também:
Análise: Trump desloca para China e OMS responsabilidade por mortes nos EUA


Zhang Jun, da China, rejeitou rapidamente a caracterização dos eventos por Craft.

"Devo dizer que já basta. Vocês já criaram problemas suficientes para o mundo", disse Zhang.

"Lamentavelmente, ouvimos mais uma vez ruídos dos EUA que estão em desacordo com a atmosfera da reunião."

Hang acrescentou que Pequim rejeitou as acusações "infundadas".

Nesta semana, em uma entrevista coletiva realizada na Missão Chinesa em Nova York, Zhang Jun já havia criticado a resposta dos Estados Unidos à pandemia: "se temos que responsabilizar alguém, devem ser os Estados Unidos responsabilizados por perder tantas vidas com seu comportamento irresponsável."

Discurso de Trump

A briga aconteceu dois dias depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou grande parte de seu discurso de vídeo pré-gravado na Assembleia Geral para culpar a China pela pandemia Covid-19 e por reter informações sobre o vírus.

Na terça-feira, Trump acusou Pequim de "permitir que voos saíssem da China e infectassem o mundo" e se referiu ao Covid-19 como o "vírus da China".

Na quinta-feira, Zhang disse que os EUA são os únicos culpados. Desde janeiro, os Estados Unidos diagnosticaram mais de 6 milhões de casos de coronavírus em sua população e perderam mais de 200.000 vidas com a doença.

O representante russo na sessão de quinta-feira também criticou as acusações de Craft.

“Lamentamos o fato de o representante dos Estados Unidos ter escolhido esta reunião e a plataforma do Conselho de Segurança da ONU para fazer acusações infundadas contra um dos membros", disse o embaixador russo Vassily Nebenzia.

A Covid-19 está muito presente na cúpula deste ano, que foi forçada ser realizada de forma virtual devido à pandemia.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu repetidamente pela unidade entre os estados-membros e advertiu na quinta-feira que as relações entre os EUA e a China caminhavam "em uma direção muito perigosa".