Belarus recebe lote da vacina russa Sputnik V para realizar testes clínicos


Fabricio Julião*, da CNN, em São Paulo
28 de setembro de 2020 às 08:42 | Atualizado 28 de setembro de 2020 às 08:43
Sputnik V, vacina russa contra Covid-19, pode ser produzida no Brasil

Sputnik V, vacina russa contra Covid-19

Foto: Reuters

O Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF) anunciou, nesta segunda-feira (28), a entrega do primeiro lote da vacina russa contra o coronavírus, Sputnik V, para Belarus. O país do Leste Europeu será o primeiro a realizar testes clínicos após a própria Rússia.

A vacinação de voluntários em Belarus começará em 1º de outubro, como parte de ensaios clínicos duplo-cegos (quando o voluntário e o profissional não sabem o que está sendo aplicado), randomizados e controlados por placebo. O ensaio será financiado pelo RDIF e contará com a participação de 100 pessoas.

Leia também:
Veja o que acontece com o corpo após meses em isolamento
Empresa australiana diz que spray nasal conteve a Covid-19 em testes com animais
União Europeia não reconhece Lukashenko como presidente de Belarus

“Belarus se tornou o primeiro país a participar de ensaios clínicos estrangeiros da vacina Sputnik V e será um dos primeiros países a receber uma vacina eficaz e segura para combater o coronavírus", anunciou Kirill Dmitriev, CEO do Fundo de Investimento Direto Russo. "Ensaios clínicos semelhantes com a Sputnik V estão planejados em vários outros países, incluindo Brasil, Índia, Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos", disse.

Os ensaios clínicos em Belarus serão realizados em oito instituições médicas selecionadas como centros de pesquisa da região. Duas clínicas do país, inclusive, já receberam os primeiros lotes da vacina.

A Sputnik V foi registrada dia 11 de agosto pelo Ministério da Saúde da Rússia. Atualmente, estão em andamento ensaios clínicos pós-registro referentes à Fase 3 de testes, nos quais mais de 60 mil voluntários se inscreveram para participar. Os primeiros resultados devem ser publicados em outubro ou novembro deste ano, segundo o RDIF.

*Sob supervisão de Julyanne Jucá