Venezuela tem 100 protestos por falhas nos serviços públicos e falta de gasolina

Um dos estados com maior incidência de manifestações foi Yaracuy, onde houve atos em 8 municípios e ao menos 31 pessoas foram presas

Osmary Hernández, da CNN
29 de setembro de 2020 às 07:04
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro
Foto: Manaure Quintero - 12.mar.2020 / Reuters

Cerca de 100 protestos foram registrados ao longo do último fim de semana em vários estados da Venezuela. Os manifestantes foram às ruas protestar contra as constantes falhas na prestação dos serviços públicos e a escassez de gasolina, segundo o diretor do Observatório Venezuelano de Conflito Social (OVCS), Marcos Ponce.

Ele afirmou que um dos estados com maior incidência de manifestações foi Yaracuy, onde houve atos em 8 municípios e ao menos 31 pessoas foram presas, de acordo com o Foro Penal Venezuelano.

A CNN tentou entrar em contato com a Procuradoria Geral da Venezuela para saber sua versão dos fatos e os detalhes sobre os protestos, mas ainda não teve retorno.

Assista e leia também:
Avião roubado no México cai na Guatemala depois de voo irregular à Venezuela
Lula diz que visita de Pompeo a Roraima é provocação à Venezuela
Americano preso na Venezuela será investigado por terrorismo, diz Maduro

Nessa segunda-feira (28), o OVCS registrou 17 manifestações em 8 municípios do estado de Nueva Esparta, marcadas pelo fechamento de avenidas e rodovias em rejeição à escassez de combustível.

Ponce indicou que os protestos são realizados por moradores que expressam sua inconformidade com a prestação do serviço de água potável, o desabastecimento de gás doméstico e as constantes interrupções no fornecimento de energia elétrica, além da crise de gasolina.

Em várias regiões do país as pessoas podem passar semanas em filas para conseguir encher os tanques de combustível.

Denúncias de repressão a protestos na Venezuela

Protestos na Venezuela contra falhas nos serviços públicos
Foto: Reprodução/CNN

De acordo com o OVCS, os protestos vêm sendo reprimidos pelas equipes de segurança do país, policiais e militares, além dos chamados coletivos ou grupos armados que apoiam o governo do presidente Nicolás Maduro.

A CNN tentou entrar em contato com o Ministério de Comunicação e Informação do país para saber sua reação com relação às denúncias, mas ainda não obteve resposta.

Miguel Ponce disse que, nos últimos meses, houve uma média diária de 25 manifestações em todo o país. O número contrasta com as 47 registradas na sexta (25) e as 35 no sábado (26).

O diretor do OVCS afirmou ainda que houve um aumento nos protestos na Venezuela como um todo. Para ele, isso poderia ser o início de uma grande onda de manifestações em diferentes áreas do país. O questionado governo Maduro ainda não se pronunciou sobre o tema.

(Texto traduzido. Leia o original em espanhol.)