Mais de 23 mil pintinhos morrem após serem abandonados em aeroporto de Madri


Jack Guy, da CNN
08 de outubro de 2020 às 16:27 | Atualizado 08 de outubro de 2020 às 18:16
Polícia de Madri descobriu milhares de pintinhos em caixas
Polícia de Madri descobriu milhares de pintinhos em caixas
Foto: Divulgação/Polícia Nacional da Espanha

Cerca de 23 mil pintinhos morreram após serem abandonados no aeroporto de Barajas, em Madri, na Espanha. 

As aves, que tinham apenas poucos dias de idade, foram deixadas do lado de fora no aeroporto, em caixas de papelão, por três dias, sem comida ou água, de acordo com comunicado emitido pela Polícia Nacional da Espanha nesta quarta (7). 

No total, havia 26 mil aves, das quais 6.000 já estavam mortas quando os policiais chegaram. Os que ainda estavam vivos sofriam de hipotermia e tentavam sobreviver comendo os restos de seus pares mortos, disseram os agentes. 

Leia também:

Guaxinim atormenta Casa Branca e interrompe repórter; veja o vídeo

Cachorros podem não diferenciar rostos humanos, aponta estudo

Os pintinhos estavam sendo transportados em caixas de papelão que se romperam após molharem com a chuva, fazendo com que o envio dos animais se tornasse "inviável", disse a polícia. 

"A decomposição dos animais mortos criou um cheiro forte, que tornou as condições de vida dos sobreviventes ainda pior", diz a nota. 

A polícia foi informada sobre os pintinhos durante o último fim de semana e não disse aonde os animais estavam sendo enviados.

Os agentes contataram duas organizações de proteção animal, a Salvando Peludos e a Alba (Associação para a Liberação e Bem-Estar Animal), que enviaram funcionários para resgatar os sobreviventes no último domingo (4). 

Fernando Sanchez, presidente da Salvando Peludos, disse à CNN que a situação que eles encontraram no aeroporto foi "avassaladora" e ele se perguntou por que alguém não denunciou a situação antes. 

"Eu espero nunca mais ver algo parecido", disse. 

Pintinhos encontrados em aeroporto de Madri
Pintinhos encontrados em aeroporto de Madri
Foto: Divulgação/Polícia Nacional da Espanha

Carolina Corral, presidente da Alba, disse à CNN que foi uma cena "horrível" e que foi emocionalmente difícil procurar por sobreviventes no meio das caixas. Também foi um desafio logístico para a organização, que normalmente lida com gatos e cachorros, contou ela.

"Nós não sabíamos o que fazer para dar a eles a maior chance de sobrevivência possível, porque nunca enfrentamos algo parecido", acrescentou. 

Ambas organizações apelaram nas redes sociais por ajuda para salvar os pintinhos. Aproximadamente 3.200 sobreviventes foram distribuídos em grupos para novos lares, disse Sanchez, mas outros continuam a morrer por causa do estresse que passaram com tão pouca idade. 

Caixas com pintinhos encontradas em aeroporto de Madri
Caixas com pintinhos encontradas em aeroporto de Madri
Foto: Divulgação/Polícia Nacional da Espanha

A polícia informou que a companhia que administra o aeroporto contatou a empresa que estava transportando os pintinhos, mas que se recusou a se responsabilizar por eles e os abandonou no terminal de carga. 

As investigações continuam, e a polícia diz que os responsáveis podem ser acusados de crueldade animal. 

"O que nós temos que tentar e nos certificar é que isso não se mantenha assim, que coisas assim não aconteçam novamente". 

A CNN entrou em contato com o aeroporto Madrid Barajas para um comentário sobre o assunto, mas não obteve resposta. 

(Texto traduzido, leia o original em inglês)