Coreia do Norte apresenta novo míssil intercontinental em parada militar


Brad Lendon, da CNN
10 de outubro de 2020 às 15:08 | Atualizado 10 de outubro de 2020 às 21:22

A Coreia do Norte revelou o que analistas acreditam ser um dos maiores mísseis balísticos do mundo durante uma parada militar que celebra o 75º aniversário do Partido dos Trabalhadores da Coreia, transmitido pela emissora estatal de televisão neste sábado (10).

A arma em massa foi carregada por um caminhão de 11 eixos no clímax de uma cerimônia de quase duas horas na capital norte-coreana, Pyongyang.

Analistas dizem que o novo míssil não foi testado ainda, mas uma arma maior poderia permitir a Coreia do Norte colocar múltiplas ogivas nucleares nele, aumentando a ameaça que ele poderia ser para qualquer adversário militar.

"O maior míssil movido a combustível líquido em qualquer lugar, para ser claro", publicou Ankit Panda, diretor sênior do Programa de Políticas Nuclears no Carnegie pela Paz Internacional, nas redes sociais.

Assista e leia também:

Seul diz que Coreia do Norte matou sul-coreano a tiros para 'combater Covid-19'

'Temos uma amizade muito especial': cartas entre Trump e Kim são reveladas

Míssil Correia do Norte

Coreia do Norte exibe o que aparenta ser um novo míssil intercontinental com potencial para carregar múltiplas ogivas nucleares

Foto: Korean Central TV/Reprodução

"Combustível líquido, enorme, capaz de carregar múltimas ogivas nucleares", escreveu Melissa Hanham, subdiretora da Rede de Transparência Nuclear da Universidade de Stanford.

"O que a Coreia do Norte nos mostrou aparenta ser um novo míssil intercontinental, algo como um derivado do que foi testado por eles em 2017, conhecido como Hwasong-15, muito maior e claramente mais poderoso do qualquer coisa no arsenal deles", diz Harry Kazianis, diretor sênior de estudos sobre a Coreia no Centro de Interesse Nacional, em Washington.

Falando antes dos tanques e mísseis serem apresentados, o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un, elogiou o poderio militar do seu país e afirmou que seu objetivo é proteção. "Nós vamos continuar para fortalecer nosso poder militar de dissuasão, no que diz respeito a autodefesa", afirmou Kim, em raro momento de emoção.