Europa e América do Norte deveriam aprender sobre Covid-19 com a Ásia, diz OMS

Países devem perseverar com as medidas de contenção da Covid-19 e colocar em quarentena qualquer um que tenha contato com pessoas infectadas, diz Mike Ryan

Michael Shields e Stephanie Nebehay e Josephine Mason, da Reuters
19 de outubro de 2020 às 17:20
Michael Ryan, diretor do programa de emergências da OMS
Foto: Denis Balibouse - 03.mai.2020 / Reuters

A Europa e a América do Norte deveriam seguir o exemplo de países asiáticos e perseverar com as medidas de contenção da Covid-19 e colocar em quarentena qualquer um que tenha contato com pessoas infectadas, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (19).

A região europeia da OMS, que inclui a Rússia, registrou mais de 8.500 mortes na última semana, e metade dos países viu um aumento de casos de 50%, disse Mike Ryan, principal especialista em emergências da entidade, em uma coletiva de imprensa.

Nos últimos meses, autoridades de Austrália, China, Japão e Coreia do Sul reduziram a disseminação detectando casos, isolando-os e colocando contatos em quarentena, disse ele.

Suas populações mostraram "níveis altos de confiança" em seus governos, que mantiveram as medidas em vigor por mais tempo.

Assista e leia também:

Governo da Itália concorda com solicitação de novas restrições na Lombardia
França: Pacientes com Covid-19 em UTIs passam de 2 mil pela 1ª vez desde maio

"Em outras palavras, eles atravessaram a linha de chegada e continuaram correndo, porque sabiam que a corrida não tinha terminado, que a linha de chegada era falsa. Demais países colocaram uma linha de chegada imaginária e quando a cruzaram isso pode ter desacelerado algumas de suas atividades", explicou Ryan.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu para as autoridades persevarem a luta contra o vírus que já infectou 40 milhões e matou mais de 1 milhão, de acordo com a contagem mais recente da Reuters.

"Sei que existe uma fadiga, mas o vírus mostrou que, quando baixamos a guarda, ele pode ressurgir com uma velocidade alucinante e ameaçar hospitais e sistemas de saúde", disse Tedros.