Trump chama Fauci de "desastre" e tranquiliza equipe de que pode ganhar eleições

Jeff Mason e Steve Holland, da Reuters
19 de outubro de 2020 às 18:29 | Atualizado 19 de outubro de 2020 às 22:45

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, classificou Anthony Fauci, principal autoridade em doenças infecciosas dos Estados Unidos, como um "desastre" e tentou tranquilizar os funcionários de sua equipe eleitoral de que ainda tem um caminho para vencer no dia da eleição, daqui 15 dias, apesar dos números desfavoráveis nas pesquisas.

Leia também:

Trump e Biden cortejam eleitores à medida que campanha eleitoral ganha força

CNN Mundo: As últimas apostas de Biden e Trump para conquistar votos

Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA
Foto: Al Drago/Reuters (30.jun.2020)

Trump e Fauci – um dos membros de sua força tarefa para o coronavírus – têm se desentendido sobre a melhor maneira de lidar com a pandemia que já matou mais de 219 mil pessoas nos Estados Unidos e enfraqueceu as chances de reeleição do presidente republicano no dia 3 de novembro.

Fauci já reclamou abertamente sobre ter sido citado em um anúncio de campanha de Trump e disse em uma entrevista transmitida na noite de domingo ao programa "60 Minutes", da rede CBS, que não se surpreendeu quando Trump contraiu o vírus. 

"Fauci é um desastre. Se eu o tivesse escutado, teríamos 500 mil mortes", disse Trump em uma teleconferência com sua equipe eleitoral que contou com a participação de jornalistas.

Falando de seu hotel em Las Vegas antes de dois comícios no Arizona, Trump disse que os norte-americanos estavam cansados das restrições impostas pela pandemia.

"As pessoas estão dizendo 'Ok, esqueçam a gente agora'. Elas estão cansadas. As pessoas estão cansadas de escutar Fauci e todos esses idiotas", disse Trump, cujos comícios têm sempre muitos apoiadores que não usam máscaras em meio a aglomerações, desobedecendo as orientações de Fauci e de outros especialistas em saúde pública.