Para especialista, Brasil deveria ser neutro na briga entre EUA e China

"Comprar a agenda do governo Trump não nos interessa porque a China é nosso maior parceiro comercial", avalia Gunther Rudzit

Da CNN, em São Paulo
20 de outubro de 2020 às 22:15

O Brasil está no meio de uma questão geopolítica de grandes proporções entre a China e os Estados Unidos. Em entrevista à CNN na noite desta terça-feira (20), Gunther Rudzit, especialista em relações internacionais acredita que o país tem se posicionado de forma "unilateral".

"Nós teríamos que tentar ao máximo que o governo [se posicionasse] de forma neutra nessas disputas, principalmente por conta das alegações que o governo americano tem fazendo", afirmou, citando que, para o governo do republicano Donald Trump, a presença da China no 5G pode ameaçar a privacidade dos usuários e a segurança dos dados.

Assista e leia também:

Waack: os apelos dos EUA para o Brasil se afastar da China

Após acordo, Brasil e EUA falam em preocupação com segurança e privacidade no 5G

Embaixadores: Acordo Brasil-EUA é 'histórico' e estrutura relação comercial

Brasil e EUA assinam acordo de US$ 1 bilhão

"O governo chinês não precisa disso, assim como o governo americano não precisa do 5G para espionar qualquer outro governo", justificou.

Além disso, na visão de Rudzit, o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) tem se comportado "de maneira errada". 

"Comprar a agenda do governo Trump, e não dos Estados Unidos, não nos interessa porque a China é nosso maior parceiro comercial. Não nos interessa ter essa briga com o nosso maior parceiro comercial", concluiu.

(Edição: Sinara Peixoto)