Bolívia: Político convoca povo a insultá-lo. Dezenas atendem e lhe jogam objetos

Marco Pumari foi candidato à vice-presidência na chapa derrotada de Luis Camacho. Moedas e frutas foram atiradas contra ele em Potosí, após convocação

Por Abel Alvarado, da CNN
22 de outubro de 2020 às 03:31
Ex-candidato à vice-presidência da Bolívia, Marco Pumari é hostilizado em Potosí
Foto: El Potosí/ Facebook/ Reprodução


Tomates, laranjas e até moedas foram lançados nesta quarta-feira contra o ex-candidato à vice-presidência da Bolívia pela aliança Creemos, Marco Pumari, que um dia antes havia feito um convite para que seus críticos nas redes sociais pudessem direcionar “seus insultos e agressões de maneira pessoal”.

“Faço este convite para que tenham a possibilidade de concretizar as ameaças que fizeram durante todo este tempo a mim, pela decisão de ter tomado a candidatura e ir às eleições em 18 de outubro”, disse Pumari nesta terça-feira em um vídeo postado em suas redes sociais.

Ouça e leia também:
O significado da volta do partido de Evo Morales ao poder na Bolívia

Pai do "milagre boliviano", Arce devolve o socialismo ao poder

Eleições na Bolívia: Quem é Luis Arce e qual a relação dele com Evo Morales

Como Elon Musk e a Tesla podem sair perdendo com a eleição de Arce na Bolívia

 

Dezenas de pessoas compareceram à convocatória desta quarta-feira, que aconteceu na Plaza de Armas 10 de Noviembre, em Potosí, em um ato que gerou alguns confrontos entre seguidores e detratores do ex-candidato.

Em vídeo gravado pelo jornal boliviano El Potosí, pessoas gritam "vendido" e "fora". Observa-se também o lançamento de objetos na direção do ex-candidato e a devolução de peças de campanha por seus apoiadores.

Alguns participantes chamaram Pumari de "masista" e o culparam por ser o responsável pelo retorno do Movimento pelo Socialismo (MAS).

Pumari foi companheiro de chapa de Luis Fernando Camacho na aliança Creemos. Segundo cálculos preliminares do Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia (TSE), Luis Arce, do MAS, mesmo partido de Evo Morales, foi eleito o novo presidente em primeiro turno.

“Aqui eu quero mostrar a minha cara. Indicaram que eu quero fugir, não vou fazer isso. Estarei aqui porque não cometi nenhum crime ", disse o político à mídia nesta quarta-feira. Pumari acrescentou que recebeu ameaças contra sua família.

Em uma parte dos vídeos, Pumari é visto sendo escoltado por duas mulheres, aparentemente civis, se esquivando dos objetos atirados contra ele e entrando em um prédio. Pouco depois, membros da Unidade Tática de Operações Policiais (UTOP) chegam para proteger o político.

Após alguns minutos, a situação se acalma. De acordo com um comandante da UTOP, não houve feridos.

O cálculo do Tribunal Supremo Eleitoral da Bolívia, com contagem de votos perto de 90% até esta quarta-feira, mostra o candidato do Movimento pelo Socialismo (MAS), Luis Arce, com 54,5% dos votos. Seu principal rival, o candidato da Comunidade Cidadã, Carlos Mesa, teve 29,2% das preferências. O binômio Camacho-Pumari, do partido Creemos, teve até o momento 14,1% dos votos apurados.

Com essa diferença, o MAS venceria o pleito em turno único. O TSE ainda não oficializou o resultado, mas a presidente interina, Jeanine Áñez, reconheceu a vitória de Luis Arce, apoiado pelo ex-presidente Evo Morales.