Trump foi moderado e buscou indecisos, diz professor de relações internacionais

Para Lucas Leite, professor de Relações Internacionais da FAAP, o tom ameno de Trump não era esperado por Biden

Da CNN, em São Paulo
23 de outubro de 2020 às 01:03 | Atualizado 23 de outubro de 2020 às 01:06



O segunda debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos pouco lembrou o primeiro encontro entre os dois. Em vez de bate-boca e interrupções, o encontro no Tennessee foi ordenado. Para Lucas Leite, professor de Relações Internacionais da FAAP, o tom ameno, especialmente de Trump, foi focado no eleitor indeciso.

“Percebi uma moderação maior de Trump, buscando o eleitorado indeciso nos estados com disputa ainda em aberto. Ele conseguiu dominar o início do debate, talvez porque Biden esperasse seu adversário mais agressivo, mas depois o democrata ficou mais confortável.”

Leia também

Trump acena a eleitores negros, mas critica movimento Black Lives Matter

Obamacare: Futuro de programa de saúde opõe Biden e Trump em debate

Países que interferirem na nossa eleição pagarão, diz Biden

Donald Trump durante o último debate antes da eleição presidencial dos Estados Unidos
Foto: Reprodução/CNN (22.out.2020)

Já Leite viu um Biden com discurso que tentava se aproximar das famílias americanas, e a partir disso, falar sobre suas principais propostas, como a questão da saúde pública, o Obamacare.

“Biden buscou construir uma narrativa suprapartidária ao mesmo tempo em que apresentou discurso mais emocional, tentando se aproximar das famílias. Nesse contexto ele apresentou propostas mais concretas, como o obamacare, com uma proposta mais próxima de um plano público,” disse Leite.

“Biden se mostrou mais empático em relação a questão racial enquanto Trump não abordou questões ligadas a grupos supremacistas brancos.”

(Edição de Diego Freire)