Argentina prorroga medidas de isolamento por mais duas semanas

O país hoje é o sexto com mais casos no mundo

Gabriel Passeri*, da CNN, em São Paulo
24 de outubro de 2020 às 17:16
Passageiros com máscaras de proteção contra coronavírus caminham no Aeroporto Internacional de Buenos Aires, na Argentina
Foto: Matias Baglietto/ Reuters (03.mar.2020)

O presidente da Argentina Alberto Fernández anunciou, na última sexta-feira (23/10), a prorrogação das medidas de isolamento social por mais duas semanas. O país ultrapassou a marca de um milhão de infecções pelo novo coronavírus na terça-feira (20/10) e é hoje a sexta nação com mais casos confirmados, atrás apenas de França, Rússia, Brasil, Índia e Estados Unidos. Até o momento, mais de 28 mil argentinos morreram pela Covid-19.

Fernández explicou que a decisão de manter as restrições foi tomada após reunião com o chefe do governo de Buenos Aires e os governadores de Buenos Aires, Santa Fé, Córdoba, San Luis, Mendoza, Neuquén, Río Negro e Tucumán.

“Na verdade, o que temos hoje é um mecanismo de isolamento para uns e distanciamento social para outros e aos poucos vamos abrindo atividades, porque a economia também precisa. Mas temos que fazer tudo com muito cuidado. Estamos longe de ter resolvido este problema ", disse o presidente.

Leia também:
AstraZeneca retomará testes da vacina Covid-19 nos EUA após reação em paciente
Pessoas com síndrome de Down têm 10 vezes mais risco de morrer por Covid-19
Sem conseguir frear segunda onda de Covid-19, França amplia lockdown

Mesmo com a grande quantidade de contaminados, a Argentina enfrenta problemas pelos baixos níveis de testes. O país tem uma das maiores taxas de positividade por teste no mundo: mais de 60% dos testados recebem diagnostico positivo para Covid-19.

A explosão de casos tem sobrecarregado os hospitais do país, com taxa de ocupação dos leitos de UTI próxima de 65%. Já em regiões mais provincianas, os sistemas de saúde estão prestes a colapsar.

*Sob supervisão de Evelyne Lorenzetti