Como Biden tem mais caminhos para conquistar 270 delegados do que Trump

Biden pode vencer em diferentes estados para alcançar a soma, enquanto Trump tem opções mais limitadas

Harry Enten, da CNN
25 de outubro de 2020 às 17:25
Joe Biden faz discurso de campanha
Foto: Kevin Lamarque/Reuters (6.out.2020)

Esta é uma análise feita pelo analista de política da CNN Internacional Harry Enten.

Uma nova pesquisa da Muhlenberg College em parceria com o programa Morning Call sobre as intenções de voto na Pensilvânia aponta que 51% dos entrevistados é mais favorável a Joe Biden e 44% a Donald Trump.

Quase todos os artigos que escrevi nestas eleições começa com alguma frase que se pareça com “Biden é o favorito”. Um grande porquê disso são as pesquisas que a Muhlenberg College tem realizado na Pensilvânia

Quando se observa os mapas de delegados eleitorais de cada estado, Biden apenas tem mais caminhos para angariar 270 votos do que Trump tem de fazer o mesmo a essa altura do campeonato. Se Trump quiser vencer, ele precisará conquistar vários estados onde Biden está liderando, incluindo a Pensilvânia.

Apenas olhe para os estados onde Biden tem uma vantagem de 5 pontos percentuais ou mais agora. Esses incluem todos os estados nos quais Hillary Clinton venceu há quatro anos e também Michigan, Pensilvânia e Wisconsin.

Esse mapa dá a Biden exatamente 270 delegados eleitorais.

Um ponto chave para se observar é que a Pensilvânia tem sido o estado onde Biden está mais fraco na região dos Grandes Lagos. Não seria um choque se ele perdesse lá, mas vencesse em Michigan e Wisconsin.

Além disso, a batalha no Arizona não se parece com as em outros estados da região dos Grandes Lagos, como Michigan, Pensilvânia ou Wisconsin, nem demograficamente nem regionalmente. É muito mais diverso racialmente e fica no sudoeste. Erros em pesquisas eleitorais tendem a estar atrelados em regiões próximas e semelhantes demograficamente.

Isso significa que há uma chance decente de que Biden fique com o Arizona, ainda que exista um erro nas pesquisas das outras regiões.

Leia e ouça também:
Membros da equipe do vice de Trump testam positivo para Covid-19
Desde 1924 nenhum republicano é eleito sem vencer na Flórida
Enquanto os casos de Covid-19 batem recordes, Trump fala sobre petróleo
Biden tem liderança confortável em arrecadação de campanha na reta final
Ouça: O que significa a vantagem de Biden sobre Trump nos estados?

Falando nesses estados que estão em uma região diferente e são mais diversos demograficamente, observe a Flórida e a Carolina do Norte. Biden está na frente por 3 pontos percentuais nas pesquisas eleitorais em ambos. Estes resultados estão na margem de erro, mas é possível imaginar Biden ganhando esses estados ainda que Trump consiga muito mais apoio de brancos sem um diploma de universidade nos Grandes Lagos.

Somando a Flórida, a Carolina do Norte e os estados onde Clinton venceu, Biden consegue mais de 270 delegados mesmo sem nenhum estado dos Grandes Lagos.

Os caminhos de Trump até 270 delegados eleitorais é bem mais limitado. Ainda que ele fique com os estados onde ele lidera e aqueles onde Biden possui uma vantagem menor do que 5 pontos percentuais, incluindo Arizona, Flórida e Carolina do Norte, Trump ainda não chegaria a 270 delegados.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump - 28/09/2020
Foto: Carlos Barría/Reuters

Sem muito tempo, o que Trump precisa fazer é simples e complicado ao mesmo tempo: conseguir o Arizona, a Flórida, a Carolina do Norte e um estado dos Grandes Lagos, além da maioria dos estados que conquistou em 2016.

A boa notícia para Trump é que não importa qual dos estados dos Grandes Lagos ele consiga, qualquer um seria uma boa ajuda. A má notícia é que ele tem de vencer em vários estados onde ele está atrás por três pontos percentuais ou mais e pelo menos um estado onde está atrás por mais de cinco pontos.

Não é impossível, Trump ainda consegue fazer isso.

Biden, entretanto, deve ser considerado como favorito porque ele tem mais chances de alcançar os 270 delegados eleitorais necessários para a vitória.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)