Chefe de gabinete da Casa Branca: 'Não vamos controlar a pandemia'

"Não vamos controlar a pandemia. Vamos controlar o fato de termos vacinas, terapias e outras áreas de mitigação", disse Meadows ao âncora Jake Tapper

Devan Cole, da CNN
25 de outubro de 2020 às 21:29 | Atualizado 26 de outubro de 2020 às 09:13


Mark Meadows, chefe de gabinete da Casa Branca, disse neste domingo (25) à CNN que os EUA "não vão controlar" a pandemia do coronavírus, já que os casos aumentam em todo o país e quase 225 mil americanos já morreram pela doença.

"Não vamos controlar a pandemia. Vamos controlar o fato de termos vacinas, terapias e outras áreas de mitigação", disse Meadows ao âncora Jake Tapper.

Os comentários do chefe de gabinete do presidente Donald Trump acompanham o surgimento de novas infecções pelo coronavírus nos Estados Unidos. A Casa Branca também enfrenta um potencial segundo surto do vírus após pelo menos cinco pessoas do círculo íntimo do vice-presidente Mike Pence testarem positivo nos últimos dias.

Assista e leia também:

2ª onda de Covid-19 se agrava e ao menos três países europeus ampliam restrições
Trump vota antecipadamente na Flórida, estado-chave na eleição americana
Virada de Trump seria algo inédito, diz especialista em política americana

Mark Meadows, chefe de gabinete da Casa Branca na gestão Donald Trump
Foto: Ken Cedeno/Reuters

Pressionado por Tapper sobre a resposta do governo à pandemia e o aumento dos novos contaminados, Meadows disse: "É um vírus contagioso como a gripe". Ele acrescentou que o governo Trump está "fazendo esforços para contê-lo".

"O que precisamos fazer é ter certeza de que temos os fatores de mitigação adequados, sejam terapias ou vacinas ou tratamentos para garantir que as pessoas não morram por causa disso", disse Meadows.

Os Estados Unidos registraram seu segundo maior dia de novos casos no sábado (24), com cerca de 84 mil americanos contraindo o vírus. Até domingo (25), havia pelo menos 8.575.000 casos totais de coronavírus no país, e pelo menos 224.800 americanos morreram pela Covid-19, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

(Texto traduzido. Clique aqui e leia o original em inglês)