Filadélfia tem segunda noite de protestos após morte de homem negro pela polícia

Cidade teve manifestações após após policiais atirarem e matarem Walter Wallace Jr., um homem negro que portava uma faca. Atos tiveram violência e saques

Por Mark Morales, Steve Almasy e Eric Levenson, da CNN
28 de outubro de 2020 às 03:12 | Atualizado 28 de outubro de 2020 às 10:24

 

As ruas da Filadélfia tiveram uma nova noite de protestos, nesta terça-feira (27), após policiais atirarem e matarem Walter Wallace Jr., um homem negro que portava uma faca.

Um grupo marchou pacificamente durante grande parte da noite, gritando o nome de Wallace Jr. e dizendo: "ruas de quem? Nossas ruas." Mas o protesto se tornou violento perto de uma delegacia de polícia quando a grande multidão encontrou um punhado de policiais.

Várias pessoas na multidão atiraram pedras, lâmpadas ou tijolos contra a polícia. Um policial ficou ferido, de acordo com uma equipe da CNN no local.

Leia também:
Trump e Biden correm por votos na Pensilvânia; entenda importância do estado

Houve saques por outros grupos de pessoas em outra parte da cidade, de acordo com um tuíte da polícia e vídeo de um helicóptero afiliado da CNN.

Imagens aéreas da afiliada KYW mostraram pessoas saqueando um Foot Locker e outras saindo de um Walmart com televisores e outros itens.

"O Departamento de Polícia da Filadélfia está solicitando que todos os residentes nos distritos 12, 16, 18, 19, 24, 25 e 26 permaneçam dentro de casa, exceto quando necessário", tuitou o escritório de gerenciamento de emergência da cidade. "Essas áreas estão passando por manifestações generalizadas que se tornaram violentas com saques."

Os tiros de segunda-feira contra Wallace, de 27 anos, capturado em vídeo de celular, chamam a atenção para o uso fatal da força pela polícia após meses de protestos sobre como a corporação trata os negros.
Os tiros e os protestos violentos - que deixaram 30 policiais feridos - também aumentam o foco no estado instável da Pensilvânia, uma semana antes da eleição presidencial.

91 prisões na segunda-feira

Antecipando novos distúrbios, autoridades estaduais e municipais solicitaram ajuda da Guarda Nacional da Pensilvânia, que mobilizará várias centenas de membros, de acordo com o porta-voz, tenente-coronel Keith Hickox.



O prefeito Jim Kenney disse que o vídeo dos tiros "apresenta questões difíceis que devem ser respondidas".

A indignação com o caso no oeste da Filadélfia gerou protestos de manifestantes querendo saber por que força menos letal não foi usada. Mas a polícia disse que os policiais não estavam equipados com Tasers.

A noite de segunda-feira testemunhou violência e saques, resultando em dezenas de prisões e ferimentos em policiais, a maioria resultado de objetos arremessados. Um policial foi atingido por uma caminhonete e levado para o hospital com uma perna quebrada e outros ferimentos, disse a polícia.

Empresas foram saqueadas e cinco veículos da polícia e um dos bombeiros foram vandalizados, disse a polícia. A comissária de polícia Danielle Outlaw disse que 91 pessoas foram presas durante os distúrbios, incluindo 11 sob a acusação de agressão à polícia e 76 por roubo.