Ex-assessora acusa Trump de atuar contra a liberdade de expressão e a democracia


Paul LeBlanc, da CNN
29 de outubro de 2020 às 14:46
Jessica Denson

Jessica Denson, ex-assessora de Donald Trump, em depoimento para a campanha Eleitores Republicanos Contra Trump

Foto: YouTube/Reprodução

Uma ex-funcionária da campanha de Donald Trump criticou nesta quarta-feira (28) a campanha do atual presidente dos Estados Unidos à reeleição, argumentando que a equipe dele “trabalhou muito contra a liberdade de expressão e a democracia”.

Jessica Denson, que trabalhou na campanha eleitoral de 2016 de Trump como diretora de engajamento entre hispânicos, disse a Jake Tapper, no programa The Lead da CNN, que viu a corrida da reeleição de 2020 “acenar com uma Bíblia e uma bandeira norte-americana e alegar que eles têm algo a ver com liberdade, mas vivi em primeira mão que eles não têm nada a ver com liberdade. Eles trabalharam muito contra a liberdade de expressão e a democracia”, disse.

Os comentários de Denson vieram depois de suas críticas ao presidente feitas em um anúncio lançado na quarta-feira (28) por um grupo chamado “Eleitores republicanos contra Trump”, que endossa o candidato democrata Joe Biden. No vídeo, ela mostra a primeira corrida de Trump à Casa Branca como “um exercício de marca vil e egoísta para um homem e sua família”.

“Donald Trump sempre se diz ‘sem censura’ e finge que toda a mídia conservadora está sendo censurada pelos liberais. Deixe-me contar uma coisa: ele é um inimigo ferrenho da liberdade de expressão”, afirma Denson no vídeo.

“Tenho sido perseguido por sua campanha por mais de três anos por falar o que penso e a verdade, e por exercer meus direitos da Primeira Emenda como cidadã norte-americana”.

Assista e leia também:

Pesquisa CNN: Biden lidera na reta final com 54%, contra 42% de Donald Trump
Por que Obama guardou as críticas mais duras a Trump para o final da campanha
O que são os delegados e como funciona o voto indireto nas eleições dos EUA

Denson entrou com vários processos contra a campanha de Trump em um esforço para anular os contratos de sigilo que ela alega serem uma violação de seus direitos da Primeira Emenda.

Questionada sobre seus esforços jurídicos, Denson disse: “Foi uma orientação de Deus. Não senti que poderia viver comigo mesma se não falasse sobre o que me aconteceu na campanha”.

Ela disse a Tapper que a campanha “transformou-se em uma arma” contra ela e classificou o acordo de sigilo como “totalmente ilegal” e “inconstitucional”.

“Sou uma das poucas pessoas que se manifestaram. Muitos, muitos, são dissuadidos para o resto de suas vidas, Jake, de falar uma palavra negativa, não apenas sobre Donald Trump, mas sobre qualquer um de seus familiares, seus múltiplos negócios. Qualquer uma dessas entidades pode fazer cumprir esses acordos contra as pessoas, e isso é fundamentalmente antiamericano”.

A CNN entrou em contato com a campanha de Trump para comentar.