Disparo de foguete por palestinos provoca ataques de Israel na Faixa de Gaza


Reuters
22 de novembro de 2020 às 06:03 | Atualizado 22 de novembro de 2020 às 06:08
Explosão causada por ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza
Explosão causada por ataque aéreo israelense na Faixa de Gaza
Foto: Reprodução - 22.nov.2020 / Reuters

Militantes palestinos dispararam um foguete contra Israel, o que desencadeou ataques aéreos israelenses na Faixa de Gaza, disse o Exército de Israel neste domingo (22).

Até o momento, não há registro de vítima em nenhum dos lados envolvidos. Mas a polícia de Israel disse que o foguete disparado na noite desse sábado (21) danificou uma fábrica na cidade de Ascalão.

Assista e leia também: 
Ataques com foguetes na capital do Afeganistão matam ao menos 3 civis
Estados Unidos anunciam retirada de parte de militares no Iraque e Afeganistão
Tropas australianas mataram civis afegãos por 'desejo de sangue', diz inquérito

O Exército isralense afirmou que sua aeronave atingiu diversos locais pertencentes ao Hamas, grupo armado islâmico que controla Gaza.

Testemunhas ouvidas pela agência de notícias Reuters contaram que os ataques, realizados antes do amanhecer, atingiram alvos em Gaza e nas cidades de Rafah e Khan Younis, sul da região, onde chamas e nuvens de fumaça eram vistas de alguns locais.

Nenhum grupo assumiu responsabilidade ainda pelos ataques. Israel e Hamas lutaram a última batalha em 2014 e trocaram tiros várias vezes desde então, embora a fronteira tenha estado bastante silenciosa nos últimos meses.

“A organização terrorista Hamas é responsável por todos os eventos ocorridos na Faixa de Gaza e que dela emanam, e arcará com as consequências da atividade terrorista contra civis israelenses", disseram os militares em um comunicado.

O porta-voz do Hamas em Gaza, Fawzi Barhoum, culpou os israelenses pela nova escalada. "A ocupação israelense é a principal responsável por tudo que acontece em Gaza, enquanto continua a bloqueá-la e a realizar ataques. A resistência está agindo apenas em autodefesa", afirmou.