Ciclone Yasa se aproxima de Fiji com ventos de até 260 km/h

Fenômeno atingiu a categoria 5 na escala de furacões Saffir-Simpson; autoridades alertam para riscos de inundações e deslizamentos

Taylor Ward, da CNN
16 de dezembro de 2020 às 07:37 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 15:12

 

Uma poderosa tempestade se encaminha para Fiji, trazendo ventos com a força de um furacão para a nação insular do Oceano Pacífico.

O ciclone tropical Yasa atingiu a categoria 5 na escala de furacões Saffir-Simpson ao se aproximar de Fiji, com ventos de até 260 km/h. Apenas 24 horas atrás, estava na categoria 1, o que fez as autoridades locais alertarem para o possível efeito devastador da tempestade.

O Yasa pode se fortalecer mais nas próximas 12 horas, antes de enfraquecer ligeiramente conforme se aproxima de Fiji. Mesmo assim, espera-se que a tempestade esteja extremamente forte quando atingir o país na noite de quinta-feira (horário local).

Além de ventos de mais de 200 km/h, a tempestade também trará mais de 250 mm de chuva, o que pode causar inundações e deslizamentos de terra. A intensidade extrema da tempestade deixará a maré muito agitada, com ondas capazes de inundar as comunidades costeiras de baixa altitude.

De acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa, em inglês), uma tempestade de categoria 4 na escala de furacões de Saffir-Simpson pode causar "danos catastróficos".

Assista e leia também:
Ciclone, tufão, furacão, tempestade: a diferença entre esses fenômenos naturais
Temporada de furacões 2020 no Atlântico terminou em novembro; entenda

Ciclone Yasa se aproxima de Fiji com ventos com força de furacão
Foto: CNN


A escala estima o potencial de danos à propriedade, e a Noaa avisa que mesmo casas bem construídas podem enfrentar "danos severos" como resultado de ventos de mais de 200 km/h, enquanto árvores e postes de energia podem ser derrubados, causando destruição e perturbação.

O primeiro-ministro de Fiji, Frank Bainimarama, disse que "cada fijiano deve se preparar para chuvas fortes, ventos fortes, inundações costeiras e inundações em todo o país".

"Exorto as comunidades a usarem este tempo para tomar medidas para manter suas casas e comunidades seguras", disse Bainimarama em pronunciamento nacional, uma mensagem que foi reiterada pelo Ministério do Desenvolvimento Rural e Marítimo do país, que disse no Twitter: "Não temos como enfatizar mais: A hora de se preparar é agora".

Enquanto o Yasa se aproxima de Fiji, outro ciclone tropical, o Zazu, acaba de passar ao norte de Tonga, mas causou pouco ou nenhum impacto às ilhas.

Assista e leia também:
Retrospectiva 2020: Os fenômenos da natureza que assolaram o planeta
2020 deve ser um dos três anos mais quentes já registrados, mesmo com La Niña

Zazu é equivalente a uma forte tempestade tropical, com ventos de 100 km/h. Nenhum território está em seu caminho e a tempestade deve se dissipar nos próximos um ou dois dias.

Ciclones fortes se tornaram cada vez mais comuns no Pacífico nos últimos anos, algo que Bainimarama atribuiu à mudança climática, escrevendo no início deste ano que o aquecimento global foi a causa do agravamento dos incêndios florestais na Austrália, bem como de tempestades mais fortes no Pacífico.

“A cada grau adicional de aquecimento global médio, a escala e a frequência dos incêndios florestais aumentam exponencialmente, assim como a intensidade dos ciclones tropicais movidos pelo calor", disse Bainimarama.

Em abril, tanto Fiji quanto Vanuatu foram atingidos pelo ciclone tropical Harold, que foi equivalente a um furacão de categoria 5 e trouxe destruição massiva para Vanuatu, onde foi uma das tempestades registradas mais fortes que já atingiu o continente.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)