Líder republicano do Senado parabeniza Biden: 'O Colégio Eleitoral falou'

Líder da maioria no Senado e um dos principais nomes republicanos, Mitch McConnell parabenizou Biden por vitória, em meio à contínua recusa de Trump

Por Ali Zaslav, Manu Raju e Ted Barrett, da CNN
16 de dezembro de 2020 às 01:41 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 01:42
Mitch McConnell, líder republicano do Senado
Foto: Wikimedia Commons


O líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell, pela primeira vez reconheceu a vitória de Joe Biden e se referiu a ele como presidente eleito, seis semanas após o dia da eleição e em meio à contínua recusa do presidente Donald Trump em aceitar a derrota.

"O colégio eleitoral falou", disse McConnell durante faça no plenário do Senado, no Capitólio dos Estados Unidos.

"Hoje quero parabenizar o presidente eleito Joe Biden", acrescentou o senador, considerado um dos republicanos mais influentes do Congresso. 

Assista e leia também:
Líder republicano no Senado, Mitch McConnell é reeleito

Biden indica primeiro LGBT a cargo no alto escalão do governo americano

Os comentários de McConnell são significativos, visto que muitos republicanos do Senado ainda não reconheceram a vitória de Biden na noite de segunda-feira, mesmo depois que o Colégio Eleitoral oficializou a vitória.

Nos bastidores, segundo uma fonte da CNN, McConnell também pediu aos senadores republicanos em uma teleconferência privada que não se unissem aos membros da Câmara em 6 de janeiro para se opor aos resultados eleitorais estaduais, quando o Congresso conta formalmente os votos do Colégio Eleitoral e os membros do Congresso podem objeto.

Outros republicanos importantes - incluindo outros líderes do partido no Senado, como John Thune, e Roy Blunt - concordaram com essa postura. Contestar os resultados, disseram eles, seria infrutífero e os forçaria a votar politicamente contra o presidente naquele dia.

McConnell avisou a Casa Branca com antecedência que parabenizaria Biden, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto. 

Os democratas criticaram a recusa dos republicanos em aceitar o resultado da eleição e destacaram como foram necessários mais de 40 dias desde que os americanos foram às urnas para que muitos membros do Congresso republicano se manifestassem.