Suspeito é preso após ataque à faca com ao menos 7 mortos no nordeste da China

Mídia estatal chinesa noticiou ataque à faca contra diversas pessoas na cidade de Kaiyuan, na província de Liaoning

Por Nectar Gan, da CNN
28 de dezembro de 2020 às 00:43 | Atualizado 28 de dezembro de 2020 às 02:30
Localização da cidade de Kaiyuan, na província de Liaoning
Foto: Google Maps/ Reprodução


Pelo menos sete pessoas foram mortas neste domingo (27) em um ataque à faca no nordeste da China, segundo a mídia estatal do pais.

Sete outras pessoas também ficaram feridas no ataque na cidade de Kaiyuan, na província de Liaoning, informou a emissora estadual CCTV.

Leia também:
China começa a construir fábrica para produzir vacina de mRNA contra Covid-19


Um único suspeito, de sobrenome Yang, foi preso e a polícia está investigando o caso, disse a agência de segurança pública municipal de Kaiyuan em um comunicado.

A polícia não mencionou o motivo do ataque, nem detalhes sobre o suspeito ou as vítimas. A CCTV informou que um policial que ajudou a deter o suspeito estava entre os feridos.

Um vídeo postado pelo jornal estatal Beijing News nas redes sociais chinesas mostrou dois policiais - um deles com uma vassoura - confrontando o suspeito e jogando-o no chão.

Ataques com faca em público não são incomuns na China. Em junho, 37 crianças e dois adultos foram feridos em um ataque do tipo em uma escola primária na região sudoeste de Guangxi.

Em outubro de 2018, uma mulher empunhando uma faca de cozinha feriu pelo menos 14 crianças em um jardim de infância na cidade central de Chongqing.

Nove estudantes foram mortos em uma escola secundária na província de Shaanxi em abril de 2018 por um homem de 28 anos que mais tarde foi condenado à morte.

Em 2017, 11 alunos ficaram feridos depois que um homem escalou o muro de um jardim de infância com uma faca e começou a atacá-los.

Mas talvez a pior onda de esfaqueamentos tenha ocorrido em 2010, que incluiu um período de três dias consecutivos em que agressores atacaram escolas. O Ministério da Educação da China respondeu a esses eventos ordenando às escolas que fortalecessem a segurança e impedissem a entrada de estranhos nos campi.