Costanza Pascolato: 'Pierre entendia que esse mundo não viveria da alta-costura'

Consultora de moda e empresária falou à CNN sobre o estilista francês que morreu, aos 98 anos, nesta terça (29)

Layane Serrano, da CNN, em São Paulo
29 de dezembro de 2020 às 13:31


Morreu nesta terça-feira (29) o estilista francês Pierre Cardin, aos 98 anos. Pierre revolucionou a moda em todo o mundo nos anos 60 e 70.

Em entrevista à CNN, Costanza Pascolato, consultora de moda e empresária, comentou quem foi Pierre e a sua importância para o mundo da moda.

“Ele era italiano da terra do meu pai, naturalizado francês, e tinha uma energia extraordinária. Tive a sorte e o privilégio de encontrá-lo nos anos 70. Nessa época ele já tinha feito a revolução, ou seja, ele já tinha entendido que o mundo não ia viver da alta-costura, de roupa pronta, feita sob medida. Ele começou trabalhando com o Christian Dior, foi o primeiro empregado dele. O que é importante é que a indústria da moda era uma coisa que estava começando a acontecer de uma maneira industrial. O que ele fez foi lançar a linha de roupas curtinhas, conhecida pela a revolução da minissaia. Mas em 1957, ele já estava de olho no Japão e na China e realmente foi uma revolução extraordinária.”

Leia também:

Estilista francês Pierre Cardin morre aos 98 anos

Sobre a história que marcou a memória de uma das maiores estilistas do Brasil, Costanza comenta que Pierre se interessou pela cultura brasileira.

“Ele era tão revolucionário que inventou as licenças de grande escala para difundir a roupa. Ele falou comigo porque eu representada uma editora de moda importante no Brasil, porque ele queria entender o mercado brasileiro. Por isso eu tive a oportunidade de conversar com ele várias vezes e ele ficou independente a vida inteira porque ele acreditou no que ele pensava. A questão é o quanto foi importante a moda que hoje domina o mundo”.

Estilista francês Pierre Cardin morreu, aos 98 anos, nesta terça-feira (29)
Foto: Reprodução/CNN Brasil