Papa pede consciência sobre o sofrimento dos outros a quem descumpre isolamento

Pontífice criticou as pessoas que viajaram durante as férias de fim de ano ao exterior para escapar dos bloqueios impostos em razão da pandemia

Reuters
03 de janeiro de 2021 às 09:56 | Atualizado 03 de janeiro de 2021 às 10:14
O papa Francisco durante celebração em Roma
O papa Francisco durante celebração em Roma
Foto: Stefano Rellandini - 30.mar.2018 / Reuters

O papa Francisco criticou neste domingo (3) as pessoas que viajaram durante as férias de fim de ano ao exterior para escapar dos bloqueios impostos em razão da pandemia de Covid-19, e disse que elas precisam ter maior consciência sobre o sofrimento dos outros.

Após a bênção semanal, o pontífice afirmou que leu notícias sobre pessoas que pegaram voos para fugir dos bloqueios de governos e buscar diversão em outros lugares.

Assista e leia também:
Ford Bronco e sedan do Homem de Ferro: carros que devem chegar ao Brasil em 2021
Atraso na vacinação aumenta riscos para retomada econômica no Brasil
Covid-19: Reino Unido deve endurecer restrições, diz premiê Boris Johnson

“Eles não pensaram nos que ficaram em casa, nos problemas econômicos de muitas pessoas que foram duramente atingidas pelos bloqueios, nos doentes. [Pensaram] apenas em sair de férias e se divertir”, disse o papa.

"Isso realmente me entristeceu", ressaltou ele em um discurso em vídeo da biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano.

A bênção tradicional do Angelus é normalmente dada de uma janela com vista para a Praça de São Pedro, mas foi transferida para dentro para evitar a concentração de pessoas e limitar a disseminação da Covid-19.

"Não sabemos o que 2021 nos reserva, mas o que todos nós podemos fazer juntos é nos esforçar um pouco mais para cuidar uns dos outros. Existe a tentação de cuidar apenas de nossos próprios interesses", afirmou Francisco.

Muitos países impuseram duras restrições para evitar a propagação do novo coronavírus, que já infectou mais de 84 milhões de pessoas em todo o mundo e matou 1,8 milhões, segundo a Universidade de Medicina Johns Hopkins.