Venezuela registra o uso emergencial da vacina russa Sputnik V


Will Marinho, da CNN, em São Paulo
13 de janeiro de 2021 às 15:32
Vacina russa Sputnik V será produzido no Brasil pelo laboratório União Química
Vacina russa Sputnik V 
Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo


O ministério da saúde da Venezuela registrou o uso emergencial da vacina russa Sputnik V para imunização contra a Covid-19 nesta quarta-feira (13), disseram os desenvolvedores da vacina.

A Rússia também está em negociações com outros países da região para o uso do seu imunizante. A Argentina e o Brasil, fazem parte desta lista.


Leia e assista também:
Prioridade para Manaus na vacinação, morte de Maguito e mais de 13 de janeiro
Produção da Sputnik V no Brasil começa dia 15, mas doses serão exportadas
"Não trabalhamos com a hipótese de adiamento do Enem", diz presidente do Inep

O fornecimento será feito por meio de parceiros internacionais na Índia, China, Coréia do Sul e outros países. O Diretor Executivo do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev elogiou a decisão da Venezuela.

“Saudamos a decisão do Ministério da Saúde venezuelano de aprovar a vacina Sputnik V, uma vacina segura e eficaz que ajudará a prevenir a disseminação do coronavírus", declarou Dmitriev.

A vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, declarou que o acordo feito com a Rússia permitirá vacinar ao menos 10 milhões de pessoas e ressaltou que a vacina russa é "muito segura". "Já estamos preparados para começar a vacinar a nossa população o mais rápido possível", disse ela. "O povo da Venezuela tem o direito de ser vacinado e tem recursos para comprar essa vacina."