Corredor da morte: Corte dos EUA permite execução de condenados com Covid-19

Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu dois presos com Covid-19 sejam executados ainda no governo Trump. Tribunal pedia adiamento para março

Por Jonathan Allen, da Reuters
15 de janeiro de 2021 às 00:44
Maca de aplicação de injeção letal
Maca de aplicação de injeção letal nos Estados Unidos
Foto: Departamento de Correções da Pensilvânia


 

A Suprema Corte dos EUA rejeitou, na noite desta quinta-feira (14), uma decisão de um tribunal inferior que determinava que as duas últimas execuções federais programadas para o governo Donald Trump fossem adiadas para permitir que os condenados se recuperassem da Covid-19.

A decisão da maioria conservadora do tribunal significa que Corey Johnson, um assassino condenado, será amarrado a uma maca na câmara de execução do Departamento de Justiça dos EUA em Terre Haute, Indiana, para receber uma injeção de doses letais de pentobarbital.

O Departamento de Justiça programou a execução de Dustin Higgs, condenado por outro assassinato, para a noite de sexta-feira. Seus advogados também estão contestando sua execução com base em outros fundamentos legais além de seu diagnóstico de Covid-19, mas a Suprema Corte permitiu até agora que todas as execuções continuassem desde que Trump retomou a prática no ano passado, após um hiato de 17 anos.

 

Na terça-feira, a juíza Tanya Chutkan do Tribunal Distrital dos EUA ordenou que as execuções fossem adiadas até pelo menos 16 de março para permitir que os condenados se curassem, apoiando médicos especialistas que disseram que seus pulmões danificados pelo coronavírus resultariam em sofrimento excessivo se recebessem injeções letais. Isso violaria a Oitava Emenda da Constituição dos Estados Unidos que proíbe punições "cruéis e incomuns", argumentaram os advogados.

Um painel dividido de juízes no Tribunal de Apelações dos EUA para o Circuito do Distrito de Columbia anulou a permanência de Chutkan por 2 a 1.

“A Oitava Emenda 'não garante a um prisioneiro uma morte sem dor - algo que, é claro, não é garantido para muitas pessoas'”, disse o parecer, citando precedente da Suprema Corte.

Trump, defensor de longa data da pena de morte, supervisionou a retomada das execuções federais em 2020, após um hiato de 17 anos enquanto o novo coronavírus se espalhava. Presos no corredor da morte, pelo menos dois de seus advogados, outros presidiários e vários agentes penitenciários e de execução adoeceram com a Covid-19 desde então

O presidente eleito Joe Biden, democrata que tomará posse na próxima quarta-feira, diz que buscará abolir a pena de morte.

Higgs foi condenado por supervisionar o sequestro e assassinato de três mulheres no Refúgio de Pesquisa Patuxent em Maryland em 1996. Ele não matou ninguém, o que seus advogados argumentaram ser motivo para clemência.

Johnson foi condenado pelo assassinato de sete pessoas na Virgínia em 1992, como parte de uma quadrilha de tráfico de drogas. Seus advogados dizem que ele tem uma deficiência intelectual, o que significa que seria inconstitucional executá-lo.

Eles disseram que a pontuação de QI de 77 que foi apresentada em seu julgamento de 1993 estava incorreta, e seu QI real é ainda mais baixo, dentro da faixa de 70-75 limiares que os tribunais têm usado para determinar a deficiência intelectual.

Horas antes de sua execução programada, o 4º Tribunal de Recursos do Circuito dos Estados Unidos negou o pedido de seus advogados para uma nova audiência sobre a alegação de que Johnson é deficiente mental demais para ser executado, visto que o Federal Death Penalty Act proíbe a execução de alguém considerado "mentalmente retardado."

O juiz James Wynn do tribunal de apelações discordou da maioria, dizendo que novas evidências mostram que o QI de Johnson é inferior a 77.

“Mas nenhum tribunal jamais considerou tais evidências”, escreveu Wynn. "Se a sentença de morte de Johnson for executada hoje, os Estados Unidos executarão uma pessoa com deficiência intelectual, o que é inconstitucional."

A Suprema Corte também rejeitou uma petição dos advogados de Johnson para atrasar a execução com base nisso.

O conselheiro espiritual de Johnson, Rev. Bill Breeden, visitou Johnson por várias horas na quinta-feira e disse que ele ainda estava tossindo e apático como resultado do coronavírus, e disse que expressou remorso por seus crimes. Breeden descreveu o nível de escrita de Johnson como o de um aluno da terceira série.

Os advogados dos dois homens, citando especialistas médicos que testemunharam no tribunal, dizem que o tecido pulmonar danificado se romperia mais rapidamente do que o normal após a administração de doses letais de pentobarbital, um poderoso barbitúrico.

Pode haver um período de vários minutos em que os homens experimentam afogamento enquanto seus pulmões se enchem de fluidos com sangue - um edema pulmonar - antes que a droga os deixe insensíveis ou os mate, argumentaram os advogados, chamando isso de uma forma de tortura. (Reportagem de Jonathan Allen em Terre Haute, Indiana; Edição de Alexandra Hudson, Grant McCool e Lincoln Feast.)