Trump reprova desempenho do próprio advogado no julgamento do impeachment

Fontes da CNN americana descrevem descontentamento de Trump com argumentos apresentados por seu advogado Bruce Castor ao defendê-lo no Senado

Por Kaitlan Collins, Jim Acosta, Paul LeBlanc e Pamela Brown, da CNN
10 de fevereiro de 2021 às 01:24 | Atualizado 10 de fevereiro de 2021 às 13:26

 

O ex-presidente Donald Trump está insatisfeito com os argumentos iniciais apresentados pelo seu advogado no julgamento do impeachment, Bruce Castor, no plenário do Senado americano nesta terça-feira (9), segundo duas fontes próximas de Trump disseram à CNN.

Castor, que está representando Trump ao lado do advogado David Schoen, apresentou um argumento sinuoso durante o primeiro dia do julgamento de impeachment no Senado, incluindo elogios aos administradores de impeachment da Câmara por uma apresentação que ele disse ter sido "bem feita".

 

Trump estava quase gritando enquanto Castor lutava para chegar ao cerne do argumento de sua equipe de defesa, que deveria ser sobre a constitucionalidade de realizar um julgamento para um presidente que não está mais no cargo. Como a equipe jurídica foi montada há pouco mais de uma semana, tudo correu como esperado, disse uma das fontes à CNN.

Ainda assim, os aliados de Trump ficaram boquiabertos quando os advogados trocaram de espaço para falar no último minuto.

A apresentação discursiva de Castor apresentou longos elogios ao Senado, incluindo os senadores de seu estado natal na Pensilvânia - o republicano Pat Toomey e o democrata Bob Casey - enquanto argumentava que a Casa não deveria realizar o julgamento. Ele advertiu que um segundo julgamento de impeachment em 13 meses iria "abrir as comportas" para impeachments futuros, até mesmo fazendo a sugestão retórica infundada de que o ex-procurador-geral do governo Obama, Eric Holder, poderia sofrer o impeachment.

O Senado acabou votando por 56 a 44 que o julgamento de impeachment é constitucional.

Um consultor da equipe de Trump ofereceu uma avaliação franca do dia de abertura confuso, perguntando incisivamente: "o que diabos está acontecendo?"

O assessor disse que o ex-presidente pode correr sérios riscos se for acusado no tribunal criminal, dada sua incapacidade de atrair uma equipe jurídica de alto escalão para o julgamento de impeachment.

“Trump fica abalado se sofrer alguma acusação. Ninguém quer trabalhar com ele”, disse o consultor.

Schoen deveria apresentar primeiro, não Castor, duas pessoas familiarizadas com o plano disseram à CNN. Mas Castor disse ao Senado que a equipe jurídica de Trump "mudou o que íamos fazer porque pensamos que a apresentação dos gerentes da Câmara foi bem feita".

Depois que Castor cedeu a palavra a Schoen, o tom da equipe de defesa mudou drasticamente. Schoen acusou os democratas de estarem usando o impeachment como um "esporte sangrento" político para tentar impedir Trump de concorrer ao cargo novamente, acusando-os de tentar privar os eleitores pró-Trump.

Embora o ex-presidente não gostasse do desempenho inicial de sua equipe de defesa, os advogados permaneceram confiantes de que o caso estava se encaminhando para a absolvição. Duas fontes distintas próximas a Trump dizem que ele quer permanecer recluso até o final do julgamento, mas conversando com assessores sobre como depois reaparecer e ajudar os republicanos nas eleições de meio de mandato.

Um outro conselheiro sênior de Trump insistiu que Castor estava tentando diminuir a temperatura emocional no Senado antes de Schoen começar sua apresentação.

"Trata-se de baixar a temperatura após a abertura emocionalmente carregada dos democratas, antes de lançar o martelo sobre a natureza inconstitucional dessa caça às bruxas pelo impeachment", disse o conselheiro.

Mas até mesmo alguns senadores republicanos sinalizaram que não ficaram impressionados com a apresentação.

O senador republicano John Cornyn, do Texas - que, no entanto, votou que o julgamento era inconstitucional - disse a repórteres sem rodeios: "achei que o advogado do presidente - o primeiro advogado - apenas divagou e não falou realmente sobre o argumento constitucional."

"Finalmente, o segundo advogado resolveu o problema e, pensei, fez um trabalho eficaz", ele rapidamente acrescentou: "mas eu vi muitos advogados e muitos argumentos e esse não foi um dos melhores que já vi."

O senador republicano Bill Cassidy, da Louisiana, que foi o único a votar de maneira diferente da votação processual no mês passado sobre a constitucionalidade do julgamento, disse a repórteres que "os administradores da Câmara estavam focados, estavam organizados" e "apresentaram um argumento convincente, enquanto, em contraste, a equipe do presidente Trump estava desorganizada. "

"Eles fizeram tudo o que podiam, exceto para falar sobre a questão em questão, e quando falavam sobre isso, eles meio que deslizavam, quase como se estivessem envergonhados de seus argumentos", disse Cassidy.

A senadora republicana Lisa Murkowski, do Alasca, seguiu a mesma linha: "hoje era para ser uma oportunidade de ser informada sobre a constitucionalidade de poder ou não avançar com o impeachment de um ex-presidente."

"Achei que a Câmara apresentou uma análise jurídica muito boa, muito boa. Para ser justa, fiquei realmente chocada com o primeiro advogado que se apresentou para o ex-presidente Trump. Não consegui descobrir para onde ele estava indo, gastou 45 minutos indo a algum lugar, mas não acho que ele nos ajudou a compreender melhor de onde ele estava vindo sobre a constitucionalidade disso", disse Murkowski.

Uma fonte que aconselhou a campanha de Trump afirmou claramente: "(está) sendo criticado por ambos os lados. Caramba."

Castor e Schoen, cada um dos quais com histórico de envolvimento em questões jurídicas polêmicas, foram convocados para liderar a equipe jurídica de Trump um dia depois que a CNN informou pela primeira vez que cinco membros de sua defesa haviam saído abruptamente.

Um ponto de atrito com sua equipe anterior era que Trump queria que os advogados se concentrassem em suas alegações de fraude eleitoral, em vez da constitucionalidade de condenar um ex-presidente.

Uma fonte próxima à primeira equipe de impeachment de Trump disse que o atual advogado do ex-presidente não deve ser comparado aos advogados que o representaram em seu primeiro julgamento.

"É difícil comparar com nossa equipe", disse a fonte sobre a primeira equipe de impeachment de Trump, observando que apresentava nomes como o juiz Ken Starr, veterano de impeachment de Bill Clinton, o professor de Harvard Alan Dershowitz e o ex-procurador-geral da Flórida Pam Bondi. "Nível diferente de experiência."

Apesar das críticas, Castor simplesmente disse aos repórteres após a sessão do dia: "Achei que tivemos um bom dia, obrigado."