Advogados de Trump se reúnem com senadores aliados antes de apresentarem defesa

Advogados se encontraram com Lindsey Graham, da Carolina do Sul, Ted Cruz, do Texas, e Mike Lee, de Utah

Manu Raju e Alex Rogers, da CNN
12 de fevereiro de 2021 às 11:13 | Atualizado 12 de fevereiro de 2021 às 11:14
Donald Trump publica vídeo nas redes sociais após apoiadores invadirem Congresso
Donald Trump publica vídeo nas redes sociais após apoiadores invadirem Congresso
Foto: Reprodução (06.jan.2021)

Um trio de senadores republicanos aliados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se reuniu com sua equipe de defesa na quinta-feira (11) à noite, em meio ao julgamento de impeachment em que eles votarão se devem condenar Trump e potencialmente impedi-lo de ocupar cargos públicos novamente.

Os senadores Lindsey Graham, da Carolina do Sul, Ted Cruz, do Texas, e Mike Lee, de Utah, foram vistos entrando em uma sala no Capitólio dos Estados Unidos que os advogados de Trump estavam usando para se preparar para seus argumentos.

David Schoen, advogado de Trump, disse que os senadores eram “caras muito amigáveis” que só queriam ter certeza de que estavam “familiarizados com o procedimento” na véspera de sua refutação à apresentação aos gestores de impeachment (a equipe de acusação) da Câmara.

 

Questionado se é apropriado se reunir com senadores durante o julgamento, Schoen respondeu: “Sim, acho que é a prática do impeachment. Não tem a ver o que diz sobre o devido processo legal”.

Alguns senadores se veem como jurados imparciais durante os julgamentos de impeachment, enquanto ficam ao lado de seu partido.

Os senadores republicanos já sinalizaram que votarão para absolver o ex-presidente da acusação de “incitamento à insurreição”, impedindo uma votação subsequente sobre o futuro político de Trump. Em um Senado com 50 senadores de cada lado, os gestores de impeachment da Câmara (todos democratas) precisam persuadir 17 senadores republicanos a se juntarem a todos os membros de seu partido para condenar Trump.

Na quinta, os gestores mostraram trechos em vídeo do discurso de Trump antes do tumulto no Capitólio em 6 de janeiro, no qual ele exortou seus partidários a “lutar com todas as forças”, “nunca desistir” e “nunca ceder”. Muitos senadores republicanos apontam que Trump também disse “para fazer com que suas vozes sejam ouvidas de forma pacífica e patriótica”. Eles também culparam os manifestantes, e não o ex-presidente, pela violência mortal daquele dia.

 

Cruz disse que a reunião com a equipe de defesa do Trump foi uma oportunidade para “compartilhar nossos pensamentos” sobre a estratégia jurídica. Vários senadores republicanos criticaram duramente a equipe de defesa na terça-feira (9), o dia de abertura do julgamento, argumentando que Bruce Castor, advogado de Trump, apresentou um argumento incoerente e sem foco ao defender que o processo é inconstitucional.

Quando questionado se ele agora está confortável com a estratégia legal da equipe de Trump, Cruz disse: “Acho que o resultado final deste julgamento de impeachment está bem claro para todos”. “Donald Trump será absolvido”, acrescentou. “São necessários 67 votos para condená-lo e todos no Senado sabem que não há votos para isso, nem deveria haver”.

Clare Foran, Ted Barrett e Ali Zaslav contribuíram para esta reportagem

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).