Biden celebra cessar-fogo entre Hamas e Israel

Segundo auxiliares, presidente fez cobrança dura ao primeiro-ministro de Israel na véspera da suspensão dos conflitos

Da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2021 às 21:19
Presidente dos EUA, Joe Biden, fala com a imprensa na Casa Branca
Presidente dos EUA, Joe Biden, fala com a imprensa na Casa Branca
Foto: Kevin Lamarque/Reuters (10.mai.2021)

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, elogiou nesta quinta-feira (20) o cessar-fogo entre Israel e o grupo islâmico Hamas durante um discurso organizado às pressas na Casa Branca para dar uma resposta aos rápidos desdobramentos do conflito no Oriente Médio.

"Nós mantivemos intensas discussões de alto nível, hora a hora literalmente, com o Egito, a Autoridade Palestina e outros países do Oriente Médio com o objetivo de evitar um conflito prolongado que nós vimos em anos passados, quando hostilidades exacerbaram", afirmou Biden.

Esta foi a primeira vez em uma semana que Biden falou publicamente sobre o conflito entre Israel e o Hamas. Suas afirmações acontecem após o país e o grupo islâmico anunciarem um cessar-fogo após um conflito de 11 dias. 

Em um telefonema com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, na quarta-feira (19), Joe Biden pela primeira vez pressionou por um final rápido da violência. O presidente americano tem se mostrando progressivamente impaciente com Netanyahu e adotou um tom mais "direto, franco e sincero" durante a ligação do que qualquer outro nas conversas entre ambos, de acordo com um assessor importante de Biden.

Palestinos se reúnem perto de casas destruídas por ataques aéreos e de artilharia de Israel no norte da Faixa de Gaza
Foto: Mohammed Salem - 14.mai.2021/Reuters

O democrata possui uma relação de décadas com Netanyahu, mas não abrandou a fala, segundo esse auxiliar. Esta foi a quarta vez que os dois líderes conversaram por telefone em uma semana, a medida em que a violência entre Israel e o Hamas se intensificava na Faixa de Gaza.

Cessar-fogo

Israel e o Hamas concordaram em uma trégua na Faixa de Gaza a partir desta sexta-feira (21), encerrando o conflito mais intenso na região nos últimos sete anos. 

De acordo com um comunicado do gabinete de segurança israelense, o cessar-fogo foi proposto pelo Egito e será "mútuo e incondicional", mas ainda não há um horário estabelecido. 

À Reuters, um integrante do Hamas disse que a trégua será "mútua e simultânea" e que estava prevista para começar por volta das 2h no horário local (20h de quinta-feira no horário de Brasília).

O presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi enviará duas delegações de segurança para os territórios israelense e palestino para garantir a manutenção da trégua, informou a televisão estatal local. 

Minutos depois do anúncio, na contagem regressiva para o início do cessar-fogo, ambos os lados ainda estavam trocando ataques. Sirenes alertavam a chegada de foguetes nas comunidades fronteiriças em Israel, e um repórter da Reuters ouviu um ataque aéreo em Gaza. Nenhuma morte foi noticiada imediatamente. 

Até esta quinta (20), 232 palestinos morreram, segundo a contagem do Ministério da Saúde em Gaza, controlado pelo Hamas. Dentre esses, estão 65 crianças. Em Israel, 12 foram vítimas do fogo dos militantes palestinos, incluindo duas crianças, de acordo com as Forças de Defesa de Israel e o serviço de emergência. 

*Com informações da CNN Internacional