EUA: Mordomo da Casa Branca se aposenta após 47 anos no cargo

William 'Buddy' Carter trabalhou para 10 administrações diferentes e é considerado uma das pessoas que mais conhece os bastidores da residência presidencial

Kate Bennett, da CNN
29 de maio de 2021 às 09:48 | Atualizado 29 de maio de 2021 às 09:51
William ‘Buddy’ Carter se aposenta após 47 anos como mordomo da Casa Branca
William ‘Buddy’ Carter se aposenta após trabalhar como mordomo da Casa Branca por 47 anos
Foto: Tina Hager/George W. Bush Presidential Library

Depois de quatro décadas, William "Buddy" Carter – um dos mais antigos mordomos da Casa Branca – se aposentará nesta semana, disseram três pessoas familiarizadas com o assunto à CNN.

A carreira de Carter começou há 47 anos na Blair House, a casa de hóspedes presidencial em frente à Casa Branca, onde serviu como parte da equipe por 15 anos antes de ir para a Residência Executiva do presidente dos Estados Unidos.

Carter continuou sendo um membro valioso da equipe da residência, auxiliando presidentes e primeiras-damas e suas famílias desde a administração de Ronald Reagan até hoje.

"Por 47 anos, em 10 administrações, Buddy Carter foi parte integrante da vida dos presidentes dos EUA, suas famílias e sua casa, a Casa Branca", disseram o presidente Joe Biden e a primeira-dama Jill Biden em um comunicado.

"Somos imensamente gratos a Buddy por sua gentileza, seu serviço e os tempos que compartilhamos juntos – ele desempenhou um trabalho exigente com excelência e alegria por quase meio século, sempre pronto para dar uma mão. Embora seja difícil de imaginar vida na Casa Branca sem Buddy, desejamos a ele tudo de bom em uma aposentadoria bem merecida e muitos anos felizes pela frente com Carol e seus amados filhos e netos.”

A decisão de Carter de se aposentar, diz uma pessoa conhecida, foi pessoal e motivada pelo desejo de passar mais tempo com sua família. Uma pequena festa privada com funcionários será realizada quinta-feira na Casa Branca e os Bidens oferecerão um almoço privado para ele e sua família como parte de sua despedida, disse um funcionário da Casa Branca à CNN.

"A história que Buddy testemunhou ao longo dos anos é surpreendente", disse uma das pessoas, que trabalhou com Carter por vários anos na Casa Branca. "Sua visão para saber como a Casa Branca funciona é incomparável – ninguém sabe disso melhor do que Buddy."

Essa pessoa disse que a ajuda de Buddy em eventos como jantares de estado era incalculável, pois ele sabia quais partes das diferentes salas tinham as melhores linhas de visão, ou onde um arranjo floral poderia funcionar para cobrir a entrada ou saída de um dignitário ou celebridade.

Carter, como muitos funcionários leais da Casa Branca, é amado pelas antigas primeiras famílias. Ele foi um dos dois membros da equipe de residência da Casa Branca que Melania Trump levou com ela em seu jato para o funeral no Texas da ex-primeira-dama Barbara Bush, em 2018 – o outro era o Maître aposentado D 'George Hainey. Carter e Barbara eram próximos, e a família Bush fez questão de convidá-lo para a ocasião solene.

Carter também foi convidado para as festas de Chelsea Clinton e Jenna Bush quando se casaram.

Quando Donald Trump era presidente, certa vez ele atrasou o início do baile anual do Congresso na Casa Branca, apenas para poder estar presente e cantar "Parabéns a você" para Carter enquanto um bolo surpresa era trazido, disse à CNN uma pessoa que compareceu ao evento.

Durante o mandato de Bill Clinton, Carter era frequentemente o primeiro membro da equipe que o ex-presidente via todos os dias, já que era ele quem levava para Clinton seu café matinal e jornal.

"Barack e eu estamos muito gratos por ter tido seu calor, charme e dignidade ao nosso lado por oito desses anos", tuitou a ex-primeira-dama Michelle Obama na sexta-feira (28), junto com uma foto dela e do ex-presidente Barack Obama com Carter. "Parabéns, Buddy!"

A situação de vida única da família presidencial na Casa Branca cria um relacionamento especial com os cerca de 90 membros da equipe da residência – particularmente os mordomos, que os ajudam a preparar e servir as refeições, na arrumação, mantendo-os dentro da agenda, e atendendo solicitações a qualquer momento, dia e noite – e, acima de tudo, com discrição.

"Buddy sempre foi atencioso e leal", disse uma das pessoas que trabalharam com ele. "E é isso que o torna tão especial. Sentiremos sua falta."

(Texto traduzido; leia o original em inglês)