Trump pressionou Justiça sobre resultados das eleições de 2020, mostram emails

Mensagens mostram como aliados do ex-presidente pressionaram procurador-geral a considerar alegações de fraude eleitoral

Whitney Wild, Jeremy Herb, Lauren Fox, Zachary Cohen e Ryan Nobles, da CNN
16 de junho de 2021 às 15:44
Ex-presidente dos EUA Donald Trump durante conferência em Orlando
Ex-presidente dos EUA Donald Trump durante conferência em Orlando
Foto: Joe Skipper/Reuters (28.fev.2021)

Novos emails de funcionários do Departamento de Justiça e da Casa Branca revelam como os aliados de Donald Trump pressionaram o então procurador-geral, Jeffrey Rosen, a considerar as alegações falsas de que a eleição de 2020 havia sido fraudada. Rosen estava sendo promovido para chefiar o Departamento de Justiça em dezembro de 2020.

Os emails mostram como o assistente de Trump na Casa Branca, chefe de gabinete e outros aliados pressionaram o órgão a investigar as alegações – e como Trump orientou os aliados a pressionar Rosen a se juntar ao esforço legal para contestar o resultado da eleição de acordo com uma série de emails divulgados pelos democratas no Comitê de Supervisão da Câmara nesta terça-feira (15).

Os documentos também mostram como Rosen lidou com a pressão política vinda da Casa Branca.
A campanha de Trump para pressionar o Departamento de Justiça acontecia enquanto ele substituía o procurador-geral William Barr – que havia dito publicamente que não havia evidências de fraude eleitoral generalizada – por Rosen, revelam os emails.

Em 14 de dezembro, o assistente de Trump enviou a Rosen e ao oficial do Departamento de Justiça Richard Donoghue um documento alegando fraude eleitoral no condado de Antrim, em Michigan. Um assessor de Donoghue encaminhou o documento aos procuradores dos Estados Unidos para os distritos oriental e ocidental em Michigan. Menos de uma hora depois, Trump publicou no Twitter que Barr deixaria o Departamento de Justiça pouco antes do Natal, elevando Rosen e Donoghue aos primeiros lugares do Departamento.

Os emails também fornecem novos detalhes sobre como Mark Meadows, então chefe de gabinete da Casa Branca, instruiu Rosen para que o então procurador-geral adjunto Jeffrey Clark - que supostamente instou Trump a torná-lo procurador-geral interino em vez de Rosen - investigasse a fraude eleitoral questões na Geórgia antes que o procurador dos EUA renunciasse em janeiro.

Em meio à pressão, Rosen disse que se recusou a falar com o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, sobre suas falsas alegações de que a eleição de 2020 teria sido roubada.

Quando Meadows pediu a Rosen que arranjasse um encontro do FBI com um aliado de Giuliani defendendo uma teoria da conspiração de que a Itália estava usando tecnologia militar e satélites para, de alguma forma, mudar os votos para Joe Biden, Rosen disse que não ajudaria Giuliani.

"Recusei categoricamente, disse que não daria nenhum tratamento especial a Giuliani ou a qualquer de suas 'testemunhas' e reafirmei mais uma vez que não conversarei com Giuliani sobre nada disso", escreveu Rosen a Donoghue.

Os novos emails fornecem detalhes adicionais para relatórios no início deste mês da CNN, The New York Times e outros sobre os e-mails de Meadows para Rosen após a eleição, que revelaram como o principal assessor da Casa Branca instou o Departamento de Justiça a agir em benefício de Trump. Os e-mails incluíam uma lista de reclamações sobre procedimentos de votação no Novo México, supostas "anomalias" em um condado da Geórgia e as reclamações sobre satélites italianos.

Autoridades querem que Meadows deponha

A presidente da Câmara de Supervisão, Carolyn Maloney, uma democrata de Nova York, enviou cartas na terça-feira a Meadows, Donoghue, Clark e outros funcionários do DOJ para que eles deponham perante o comitê.

A comissão solicitou no mês passado uma entrevista com Rosen. Em um comunicado, Maloney disse que os e-mails mostram que "o presidente Trump tentou corromper a principal agência de aplicação da lei de nosso país em uma tentativa descarada de derrubar uma eleição que ele perdeu".

Meadows se recusou a comentar na terça-feira quando questionado pela CNN se era apropriado para ele enviar um e-mail para Rosen sobre alegações de fraude eleitoral e as eleições de 2020.

"Vou deixar você responder isso", disse Meadows à CNN ao deixar a sala de jantar do Senado. "Obviamente não vou comentar sobre nada que possa ou não ter acontecido."

Questionado se ele testemunharia perante o painel de supervisão, Meadows novamente não respondeu."Não vou comentar", disse.

Os e-mails também mostram como Trump direcionou aliados a Rosen, que havia sido nomeado procurador-geral interino após a renúncia de Barr em dezembro de 2020, depois que Barr disse publicamente que não havia fraude generalizada na eleição.

Kurt Olsen, um advogado particular, entrou em contato com John Moran no Departamento de Justiça em 29 de dezembro solicitando uma reunião com Rosen, prometendo que ele poderia se encontrar no Departamento de Justiça com uma hora de antecedência.

Ele anexou um projeto de reclamação modelado após o processo da Suprema Corte do Texas contestando sem sucesso os resultados da eleição em quatro estados, e escreveu em um e-mail de acompanhamento que Trump o orientou a se encontrar com Rosen para discutir os EUA trazendo uma ação semelhante.

"O presidente dos Estados Unidos viu esta reclamação e me instruiu ontem à noite para informar AG Rosen pessoalmente hoje para discutir a instauração desta ação", escreveu Olsen. "Fui instruído a apresentar um relatório ao presidente esta tarde, após a reunião."

No mesmo dia, o assistente de Trump na Casa Branca também encaminhou o projeto de queixa a Rosen e Donoghue para revisão, dizendo que também havia sido compartilhado com Meadows e o advogado da Casa Branca, Pat Cipollone.

No final do ano, ficou claro que Rosen e Donoghue estavam cansados da pressão da Casa Branca.

Os e-mails mostram como Meadows pressionou o Departamento de Justiça a investigar as alegações de fraude feitas por aliados de Trump como Cleta Mitchell, a advogada que ajudou Trump em sua ligação em 2 de janeiro quando pressionou as autoridades da Geórgia para "encontrar" votos para ele.

Em um e-mail em 1º de janeiro, Meadows disse que havia "alegações de anomalias de correspondência de assinaturas" no condado de Fulton, Geórgia, pedindo a Rosen que um oficial do Departamento de Justiça "tratasse desse assunto imediatamente para determinar se há alguma verdade nessa alegação".

Rosen encaminhou o e-mail para Donoghue mais tarde naquele dia, dizendo: "Você acredita nisso? Não vou responder à mensagem abaixo." "Pelo menos é melhor do que o anterior, mas isso não diz muito", respondeu Donoghue.

Quando Meadows enviou a Rosen um link de vídeo do YouTube sobre satélites italianos, Rosen o encaminhou para Donoghue, que respondeu: "Pura insanidade".

Em outra troca, Donoghue disse a Steve Engel do Escritório de Assessoria Jurídica do Departamento de Justiça que gostaria de se encontrar com ele "sobre algumas travessuras que poderiam acabar no seu radar", sinalizando que havia pelo menos alguma preocupação de que o Escritório de Assessoria Jurídica teria que pesar sobre os problemas potenciais.

Os novos e-mails divulgados pelo comitê incluem correspondência com Clark, um advogado do Departamento de Justiça que tentou convencer Trump a remover Rosen e usar o DOJ para desfazer os resultados eleitorais da Geórgia, relatados pelo The New York Times em janeiro. No e-mail de 1º de janeiro, Meadows pediu a Rosen para que Clark investigasse os supostos problemas de assinatura na Geórgia, antes de uma reunião em 3 de janeiro na qual Trump ouviu diretamente de Clark e Rosen antes de finalmente escolher não remover Rosen.

No que parece ser o rescaldo de uma reunião de 3 de janeiro de Trump, Clark, Rosen e outros, o então funcionário do Departamento de Justiça, Patrick Hovakimian, escreveu: "Parece que Rosen e a causa da justiça venceram."

"Incrível", respondeu John Demers, chefe da Divisão de Segurança Nacional, que deixará o Departamento de Justiça no final do mês.

Com informações de Katelyn Polantz, da CNN

(Texto traduzido, leia o original em inglês)