EUA devem anunciar mais doações de vacinas para o Brasil nos próximos dias

Optou-se pelo formato de doação por ser menos burocrático do que o envio por meio do consórcio internacional Covax Facility, diz o país

Núria Saldanha, da CNN, em Washington
07 de julho de 2021 às 12:40 | Atualizado 08 de julho de 2021 às 01:06

 

O governo dos Estados Unidos deve anunciar a doação de mais vacinas contra a Covid-19 para o Brasil nos próximos 15 dias. Fontes envolvidas nas negociações dizem que a remessa vai incluir vacinas da Johnson ou da Pfizer. A segunda leva de imunizantes deve ser doada de forma direta, sem a mediação do Covax, consórcio da OMS para acelerar o desenvolvimento e a distribuição de vacinas.

Se confirmada, essa pode ser a segunda doação direta de Washington aos brasileiros. No mês passado, a Casa Branca anunciou o envio de 3 milhões de doses da Johnson, que já chegaram ao Brasil, o maior número de vacinas que os EUA doaram de forma direta para um país até aqui.

O governo brasileiro precisa vir buscar os imunizantes e o transporte deve ser feito em voo comercial da Azul, companhia aérea que foi responsável pelo transporte da primeira remessa. Uma outra alternativa é fazer o transporte em aviões da Força Aérea Brasileira.

O ministério da saúde e a embaixada brasileira em Washington negociam o fornecimento de imunizantes com os Estados Unidos desde março. O Brasil também demonstrou interesse em receber cerca de 20 milhões de doses que estão nos estoques americanos e vencem em setembro.

Esses imunizantes seriam distribuídos via Covax, mas o consórcio já avisou ao governo americano que não vai conseguir distribuir as doses dentro desse prazo. O governo brasileiro acredita que tem condições de receber e aplicar as doses antes da validade expirar e tem tentado se aproximar de Joe Biden para recebê-las.

No domingo, 4 de julho, o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta a Joe Biden, parabenizando os americanos pelo Dia da Independência do país. Na quarta carta enviada à Casa Branca desde que o democrata assumiu a presidência, Bolsonaro aproveitou o momento para agradecer o envio de vacinas.

Vacina contra Covid-19 da Janssen
Foto: Gaelen Morse/Reuters (2.mar.2021)