Em Atenas, milhares protestam contra a vacinação contra o coronavírus

Cerca de 5 mil manifestantes se reuniram em frente ao Parlamento sob forte presença policial

Reuters Em Atenas
14 de julho de 2021 às 20:18 | Atualizado 14 de julho de 2021 às 20:22
Lockdown em Atenas
Lockdown em Atenas
Foto: Anadolu Agency/Colaborador/Getty Images

Mais de 5.000 manifestantes antivacinas, alguns deles agitando bandeiras gregas e cruzes da madeira, se reuniram em Atenas nesta quarta-feira (14) para se opor ao programa de vacinação contra o coronavírus da Grécia.

Gritando "tome suas vacinas e dê o fora daqui!" e conclamando o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis a renunciar, os manifestantes se reuniram em frente ao Parlamento sob forte presença policial.

O protesto desta quarta foi a maior demonstração de oposição à vacinação. Uma pesquisa recente da Pulse para a Skai TV revelou que a maioria dos gregos disse que tomaria a vacina e eram a favor da vacinação obrigatória para alguns segmentos da população.

 

Cerca de 41% dos gregos estão totalmente vacinados. Na segunda-feira, o governo ordenou a vacinação obrigatória de profissionais de saúde e funcionários de lar de idosos após um aumento acentuado de novas infecções causadas por Covid-19 no meio da temporada de turismo.

"Cada pessoa tem o direito de escolher. Estamos optando por que o governo não escolha por nós", disse Faidon Vovolis, cardiologista, que questionou as pesquisas científicas em torno das máscaras faciais e da vacina e lidera o movimento "Livre de novo", que convocou o protesto. Vovolis disse que iniciou o grupo em resposta às "medidas duras" do governo para conter o vírus.

Os protestos são bastante comuns na Grécia e houve vários nos últimos meses sobre as questões que vão desde uma nova lei trabalhista até a mais recente campanha militar israelense em Gaza.

Em um país de 11 milhões de habitantes, mais de 444.700 pessoas foram infectadas desde o início da pandemia e 12.782 morreram. As autoridades registraram quase 3.000 novas on-line na quarta-feira. 

(Reportagem de Vassilis Triandafyllou e Alkis Konstantinidis Escrita de Karolina Tagaris; Edição de Aurora Ellis)