Misteriosa 'Síndrome de Havana' é identificada em diplomatas americanos em Viena

Vertigens repentinas, náuseas e dores de cabeça são sintomas atribuídos à síndrome, que acometeu oficiais dos EUA nos últimos anos

Denise Hruby e Jennifer Hansler, da CNN*
18 de julho de 2021 às 14:02
Embaixada dos Estados Unidos em Viena, na Áustria
Embaixada dos Estados Unidos em Viena, na Áustria
Foto: Reprodução/US Embassy in Austria

Autoridades austríacas disseram investigar relatos de que os diplomatas americanos em Viena estão com sintomas de uma doença misteriosa conhecida como "Síndrome de Havana".

"Levamos esses relatos muito a sério e, de acordo com nosso papel como estado anfitrião, estamos trabalhando com as autoridades americanas em uma solução conjunta", disse neste domingo (18) o Ministério Federal de Assuntos Europeus e Internacionais.

"A segurança dos diplomatas enviados à Áustria e suas famílias é de máxima prioridade para nós", acrescentou o ministério.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmou no sábado que "em coordenação com nossos parceiros em todo o governo dos EUA, estamos investigando vigorosamente os relatos de possíveis incidentes de saúde inexplicáveis entre a comunidade da Embaixada dos EUA em Viena ou onde quer que eles sejam relatados".

As vítimas da Síndrome de Havana relataram uma variedade de sintomas e sensações físicas, incluindo vertigens repentinas, náuseas, dores de cabeça e pressão na cabeça, às vezes acompanhadas por um "ruído perfurante".

Alguns relataram ser capazes de "entrar" e "sair" dessas sensações ao se moverem para outro lugar. Outros têm sido diagnosticados com lesões cerebrais traumáticas e continuam a sofrer de dores de cabeça debilitantes e outros problemas de saúde anos mais tarde.

Desde que os incidentes começaram no final de 2016, em Cuba, investigadores do governo federal dos EUA têm lutado para determinar o que - ou quem - está causando os misteriosos sintomas.

Houve casos relatados na Rússia, China e em outras partes do mundo, e uma comissão do Senado afirmou em abril que o número de casos suspeitos parecia estar aumentando. Em abril, a CNN relatou dois incidentes separados que ocorreram perto da Casa Branca no final do ano passado, afetando os funcionários do Conselho Nacional de Segurança.

Em maio, dois funcionários da Defesa disseram que o Pentágono estava redigindo um memorando para toda a força de trabalho militar e civil dos EUA, pedindo ao pessoal que relatasse quaisquer sintomas de saúde anômalos que pudessem indicar a Síndrome de Havana, que atingiu diplomatas, espiões e pessoal militar dos EUA em todo o mundo nos últimos anos.

Nenhuma decisão final foi tomada sobre a emissão do memorando, mas o fato de que ele está sendo considerado ressalta a crescente preocupação nos níveis superiores do Pentágono de que eles precisam reunir mais informações sobre a doença.

*Denise Hruby reportou de Viena, e Jennifer Hansler, da CNN de Washington. Colaboraram Barbara Starr, Katie Bo Williams e Jeremy Herb