Candidatos novatos vencem primárias presidenciais no Chile

Ex-líder estudantil de esquerda Gabriel Boric e o ativista de centro-direita Sebastian Sichel são os principais candidatos das eleições gerais em novembro

Reuters
19 de julho de 2021 às 06:32 | Atualizado 19 de julho de 2021 às 06:36
Chilenos carregam bandeira de apoio ao candidato  Gabriel Boric
Chilenos carregam bandeira de apoio ao candidato Gabriel Boric
Foto: Vanessa Rubilar/SOPA Images/LightRocket via Getty Images (18.jul.2021)

As primárias presidenciais deste domingo (18) para as coalizões de esquerda e direita do Chile derrubaram as previsões, deixando o ex-líder estudantil de esquerda Gabriel Boric e o ativista de centro-direita Sebastian Sichel como principais candidatos nas eleições gerais de novembro.

À esquerda, Boric, de 35 anos, é um legislador com opiniões mais moderadas que vem da região da Patagônia, no extremo sul do Chile, e obteve 60% dos votos nas primárias, derrotando o contendor do Partido Comunista e prefeito da região de Santiago Daniel Jadue.

À direita, o independente Sichel, 43, ex-ministro do gabinete e presidente do Banco del Estado do Chile, que ostenta uma tatuagem de truta no antebraço, derrotou o prefeito conservador e duas vezes candidato à presidência Joaquin Lavin, obtendo 49% dos votos em uma primária de quatro vias.

A coalizão de centro-esquerda que dominou amplamente a política do Chile desde o retorno do país à democracia em 1990 não conseguiu marcar as primárias presidenciais, mas deve apresentar um candidato em breve.

Os resultados primários empurraram os políticos do establishment de todo o espectro político ainda mais para as periferias no Chile, em vez de apresentarem dois políticos mais jovens e de mentalidade independente para a eleição de 21 de novembro para suceder o presidente de direita Sebastian Pinera, que está cumprindo seu segundo mandato consecutivo.

Constituição chilena

Uma convenção constitucional também dominada por independentes está entrando na reta final ao reescrever a constituição da era da ditadura do país.

A votação de maio para que os delegados reescrevessem a constituição também contrariaram as expectativas, com a maioria das cadeiras indo para candidatos independentes em grande parte da esquerda, muitos de coalizões de grupos sociais que surgiram de protestos contra a desigualdade que explodiram em 2019.

O período turbulento no Chile, o maior produtor mundial de cobre, deixa os observadores do mercado e a indústria em estado de alerta, já que as políticas de mineração, ambientais e sociais são questões-chave tanto na corrida presidencial quanto na convenção constitucional.