EUA: republicanos bloqueiam votação de projeto de infraestrutura bipartidário

Parlamentares da 'Grand Old Party' pressionam por mais tempo para chegar a um acordo com os democratas e redigir a legislação

Alex Rogers e Manu Raju, da CNN
21 de julho de 2021 às 17:30
Líder do partido republicano no Senado, Mitch McConnell (03.nov.2020)
Líder do partido republicano no Senado, Mitch McConnell (03.nov.2020)
Foto: Wikimedia Commons

Os republicanos do Senado dos Estados Unidos bloquearam uma votação nesta quarta-feira (21) para iniciar o debate sobre um projeto de infraestrutura bipartidário de US$ 1,2 trilhão, enquanto pressionam por mais tempo para chegar a um acordo com os democratas e redigir a legislação.

A votação foi 49 a 51, aquém dos 60 votos necessários para fazer avançar a medida.

Mas os legisladores disseram que suas negociações se intensificarão nos próximos dias, com o objetivo de tentar novamente avançar a medida no início da próxima semana.

O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, defendeu sua decisão de abrir a votação apesar da oposição republicana, apontando que o grupo bipartidário passou mais de um mês em negociações.

Ele disse que os negociadores bipartidários estão "perto de finalizar seu produto" e que os senadores republicanos "deveriam se sentir confortáveis para votar para seguir em frente hoje".

“Todos nós queremos a mesma coisa aqui: aprovar uma lei de infraestrutura bipartidária”, disse Schumer. "Mas, para terminar a conta, primeiro precisamos começar."

O líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, disse que a pressão para avançar o projeto de lei foi uma "façanha" que está "fadada ao fracasso" porque os negociadores não concluíram um acordo.

"Por aqui, normalmente escrevemos os projetos de lei antes de votá-los", disse o republicano de Kentucky no plenário do Senado. "Esse é o costume."

Apesar das acusações de seus líderes partidários, o grupo bipartidário poderia redigir o projeto de lei e apresentá-lo nos próximos dias. A senadora republicana do Maine, Susan Collins, disse na quarta-feira que ela e 10 outros senadores republicanos estão enviando a Schumer uma carta se comprometendo a avançar o projeto de lei na segunda-feira se um acordo for finalizado.

Em junho, a Casa Branca e um grupo bipartidário do Senado concordaram em US$ 579 bilhões em novos gastos para construir estradas, pontes, ferrovias e aeroportos, junto com projetos de infraestrutura de água, energia e banda larga.

Mas, desde então, os legisladores têm lutado para saber como pagar pelo enorme investimento. Eles tornaram sua tarefa ainda mais difícil ao concordar em descartar uma cláusula que teria fortalecido a capacidade da Receita Federal de arrecadar impostos não pagos, o que teria gerado até US$ 100 bilhões em receitas do governo. Eles também lutaram para resolver outras questões, incluindo quanto financiamento de trânsito fornecer, de acordo com uma fonte do Partido Republicano do Senado.

O senador de Utah, Mitt Romney, um dos negociadores republicanos, disse na terça-feira que os senadores "resolveram provavelmente três quartos" de seus problemas nos últimos dois dias e previram que poderiam resolver o resto "até o final da semana."

Romney disse que queria que a votação fosse adiada para o início da próxima semana.

"Espero que o senador Schumer tenha a votação na segunda-feira, quando tivermos a chance de resolver quaisquer questões pendentes remanescentes", disse Romney.

O esforço bipartidário é parte de uma estratégia de duas vias para promover a ampla agenda econômica da Casa Branca, à medida que os democratas estabelecem as bases para avançar um pacote de US$ 3,5 trilhões que expande a rede de segurança social. Os democratas sugeriram que alguns elementos do plano bipartidário poderiam ser incluídos no pacote somente para os democratas, se eles não pudessem adiantar a medida mais restrita.

Mas alguns democratas moderados já estão desconfiados do preço exorbitante.

O senador da Virgínia Ocidental, Joe Manchin, hesitou em adicionar mais trilhões à dívida e em algumas das disposições que tratam da produção de combustíveis fósseis.

Pressionado sobre suas preocupações com as partes climáticas da proposta, Manchin enfatizou na quarta-feira que outras nações são e se tornarão os maiores contribuintes para a mudança climática. Ele também disse que estava preocupado com o fato de "estarmos atingindo uma dívida muito, muito grande".

O senador de Vermont, Bernie Sanders, previu, no entanto, que todos os 50 senadores democratas apoiarão a resolução orçamentária que instruiria os comitês a redigir a legislação de US$ 3,5 trilhões.

"No final do dia, teremos todos os 50 a bordo para a parte mais importante da legislação para as famílias na história moderna", disse Sanders.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).