China proíbe que jogadores de futebol da seleção façam tatuagem

O país ordenou àqueles que já possuem que removessem ou cobrissem o desenho para dar um "bom exemplo para a sociedade"

Zhong Zhi / Getty Images

Teele RebaneWayne Changda CNN

Ouvir notícia

A China proibiu os jogadores de futebol que jogam na seleção nacional de fazerem tatuagens, de acordo com uma diretiva emitida pela Administração Geral do Esporte da China (GAS).

O país asiático ordenou que aqueles que já possuem tatuagens devem remover ou cobrir os desenhos para “dar um bom exemplo para a sociedade”.

A diretiva, intitulada “Sugestões para fortalecer a gestão de jogadores de futebol”, estabelece requisitos disciplinares para jogadores de seleções nacionais.

“Atletas da seleção nacional e da seleção sub-23 estão estritamente proibidos de fazer novas tatuagens”, diz a diretriz, emitida na terça-feira.

“Aqueles que têm tatuagens são aconselhados a removê-las por conta própria. Em casos de circunstâncias especiais, as tatuagens devem ser cobertas durante o treinamento e competição, após o consentimento da equipe.”

A diretriz ainda informa que as seleções de escalões sub-20 estão proibidas de recrutar novos atletas com tatuagens.

Segundo comunicado do GAS, as medidas “demonstram plenamente o espírito positivo dos jogadores de futebol chineses e são um bom exemplo para a sociedade”.

A diretriz aponta que as seleções devem organizar atividades que “fortaleçam a educação patriótica” dos atletas para “aumentar o senso de missão, responsabilidade e honra, e criar uma seleção nacional capaz de vencer e lutar bem com excelente estilo de jogo”.

Esta não é a primeira vez que a China tem como alvo as tatuagens. Em 2018, o regulador de mídia da China emitiu um decreto dizendo que a televisão chinesa “não deveria apresentar atores com tatuagens”, durante uma repressão à “cultura hip hop, subcultura e cultura imoral”.

As imagens com tatuagens deveriam ser desfocadas antes de serem exibidas na TV.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original)

Mais Recentes da CNN