Cientistas estão preocupados com a rapidez com que a crise climática se agrava

Países desenvolvidos como os Estados Unidos, Canadá e Alemanha foram diretamente afetados pelas mudanças climáticas nas últimas semanas

Foto: Sascha Schuermann/Getty Images

Angela Dewan, da CNN

Ouvir notícia

Até recentemente, a mudança climática era considerada uma ameaça futura. Suas linhas de frente foram retratadas como lugares remotos como o Ártico, onde os ursos polares estão ficando sem gelo marinho para caçar. O aumento do nível do mar e a seca extrema foram um problema para o mundo em desenvolvimento.

Mas, no mês passado, o mundo desenvolvido esteve na linha de frente.

Nas últimas quatro semanas, inundações na Alemanha engolfaram ruas e engoliram casas que existiam por mais de um século na pacata vila de Schuld. Uma cidade canadense de apenas 250 habitantes — mais conhecida por seu ar frio da montanha — queimou em um incêndio florestal que se seguiu a um calor sem precedentes.

E no oeste dos Estados Unidos, poucas semanas após uma onda de calor histórica, cerca de 20.000 bombeiros foram destacados para extinguir 80 grandes incêndios que consumiram mais de 4.047 quilômetros quadrados.

Cientistas vêm alertando há décadas que a crise climática levaria a condições mais extremas. Disseram que seria mortal e mais frequente. Mas muitos estão expressando surpresa ao perceber que recordes de calor e chuva estão sendo quebrados por margens tão grandes.

Desde a década de 1970, os cientistas previram com bastante precisão até que ponto o mundo se aqueceria. O que é mais difícil para seus modelos preverem — mesmo à medida que os computadores ficam cada vez mais poderosos –é a intensidade do impacto.

Michael E. Mann, diretor do Earth System Science Center da Penn State University, disse à CNN que as últimas semanas mostraram a limitação dos modelos de mudança climática.

“Há um fator importante com muitos desses eventos, incluindo o recente evento ‘heat dome’ no oeste, que os modelos climáticos não capturam”, disse Mann. “Os modelos estão subestimando a magnitude do impacto da mudança climática em eventos climáticos extremos.”

Nos modelos climáticos, explicou Mann, o tempo do dia-a-dia é apenas ruído. Parece muito com o caos. São apenas os eventos mais extremos que se destacam como um sinal claro.

“O sinal está emergindo do ruído mais rapidamente” do que os modelos previram, disse Mann. “O sinal [do mundo real] agora é grande o suficiente para que possamos ‘vê-lo’ no clima diário”, embora os modelos não o tenham previsto.

Isso significa que eventos históricos como as enchentes na Alemanha ou o incêndio florestal no Canadá não foram registrados nas previsões. Para que isso aconteça, dizem os cientistas, precisamos de modelos climáticos ainda mais poderosos.

Tim Palmer, um professor pesquisador em Física Climática da Universidade de Oxford, é um dos vários cientistas que estão convocando um centro global de modelagem que abrigaria um supercomputador “exascale” — uma máquina que pode processar uma quantidade enorme de dados.

Cientistas e governos na década de 1950 criaram a Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN), quando ficou claro que para avançar no campo da física de partículas seria necessária uma máquina tão cara que era improvável que qualquer país a desenvolvesse.

“Como uma organização internacional, o CERN tem sido um enorme sucesso”, disse Palmer à CNN. “É disso que precisamos para a mudança climática”.

Os cientistas usam simulações de computador de eventos climáticos para fazer projeções de como eles podem mudar décadas no futuro. Mas eles não conseguem ampliar o suficiente — mesmo no nível de uma cidade — para prever os eventos mais extremos. Apesar do progresso da tecnologia, os computadores ainda não são normalmente sofisticados o suficiente para operar em uma resolução tão alta.

Palmer disse que os modelos climáticos devem chegar lá.

“Se, em todo o mundo, estamos gastando trilhões de dólares para se adaptar às mudanças climáticas, temos que saber exatamente a que estamos nos adaptando”, disse Palmer, “seja inundação, secas, tempestades ou aumento do nível do mar.”

‘Um mal necessário’

Embora os recentes eventos climáticos extremos no Hemisfério Norte tenham surpreendido muitos, eles “não foram completamente inesperados”, disse Richard Allan, professor de ciência do clima na Universidade de Reading. “É para isso que a ciência sempre apontou”, disse ele.

Mas ele concorda que computadores melhores seriam úteis para fazer projeções mais detalhadas e refinadas.

“Também é difícil avaliar como os padrões climáticos mudarão e se alterarão no futuro, incluindo se o fluxo do oeste sobre a Europa será mais comumente bloqueado, fazendo com que as tempestades parem em um lugar, como foi o caso na Europa em julho de 2021 ou mais ondas de calor prolongadas e sustentadas, como no oeste da América do Norte “, disse Allan.

Mesmo sem essa modelagem granular, os ativistas climáticos — e, cada vez mais, as comunidades afetadas por eventos climáticos extremos — estão pedindo mais ações sobre as mudanças climáticas. A chanceler alemã, Angela Merkel, disse no fim de semana que “temos que nos apressar, precisamos ser mais rápidos na luta contra as mudanças climáticas”.

Vários países desenvolvidos, incluindo os EUA, aumentaram significativamente este ano seus compromissos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A União Europeia divulgou na semana passada um plano ambicioso para colocar o clima no centro de quase todas as iniciativas de desenvolvimento.

Mesmo assim, muitos ativistas dizem que suas promessas ainda estão aquém da ação necessária para conter as temperaturas globais médias em 1,5 graus Celsius, que o Painel Internacional para Mudanças Climáticas diz ser necessário para evitar impactos ainda mais catastróficos das mudanças climáticas. Eles também criticam os governos que fazem promessas ambiciosas enquanto continuam a aprovar novos projetos de combustíveis fósseis, incluindo minas de carvão e instalações de petróleo e gás.

Merritt Turetsky, diretora do Instituto de Pesquisa Ártica e Alpina, espera que esses eventos climáticos no mundo desenvolvido galvanizem esse tipo de ação. Ela mesma está desafiando suas próprias percepções de onde estão as linhas de frente das mudanças climáticas e quem é vulnerável.

“Talvez este seja um mal necessário”, disse Turetsky. “Costumávamos pensar nas linhas de frente como nações insulares por causa do aumento do nível do mar, ou o Ártico.”

“Sabemos que há uma dissonância cognitiva quando a mudança climática está afetando pessoas tão distantes de você e de tudo que você conhece. Temos a tendência de colocá-la na prateleira, porque uma coisa é ver ‘isso é o que eles dizem’, mas é outra algo para sentir. Estamos em um ponto em que todos no planeta já sentiram os impactos da própria mudança climática, ou pelo menos alguém que eles amam ou conhecem. Está chegando cada vez mais perto. “

Esse é certamente o sentimento entre os residentes de Schuld, na Alemanha.

“Quando você olha para o que está acontecendo no Canadá, onde havia temperaturas de 50 graus, e o que está acontecendo em todo o mundo, fica claro que isso é resultado da mudança climática”, disse Niklas Pieters à CNN, enquanto ajudava seus pais a limpar os destroços de sua casa destruída em Schuld na segunda-feira (19).

“Eu não quero ter que me acostumar com isso.”

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).

Mais Recentes da CNN