Biden conseguirá se tornar o 2º democrata a virar o jogo no Arizona desde 1948?

Arizona é há muito tempo um reduto republicano, mas uma crescente população latina e a influência de eleitores de áreas mais liberais deixam disputa aberta

O candidato presidencial democrata, Joe Biden
O candidato presidencial democrata, Joe Biden Foto: Brian Snyder/Reuters (28.out.2020)

Por Dan Merica, da CNN

Ouvir notícia

O Arizona é há muito tempo um reduto do Partido Republicano, mas uma crescente população latina e a influência de eleitores de áreas mais liberais fazem os democratas acreditarem que podem virar o jogo no estado e colocar Joe Biden no topo.

Trump venceu o estado com mais de três pontos percentuais em 2016, mas os democratas ganharam uma cadeira no Senado em 2018 e lideraram nos condados de Maricopa e Pima County, onde espera-se que cerca de 75% dos votos eleitorais sejam realizados.

Assista e leia também:
Programa especial traz apuração e análise das eleições; assista

Acompanhe a contagem de votos em tempo real

Veja as principais projeções da CNN na apuração das eleições nos EUA

Trump continua bastante popular nas áreas rurais do estado, então o importante para a disputa será o quanto ele conquistará condados como Pinal, Yavapai e Mohave, enquanto Biden busca aumentar sua participação em Maricopa e Pima.

O Arizona é indiferente para Biden. Não é uma vitória obrigatória para o democrata e a perda não seria a ruína de Trump, mas um Arizona de maioria democrata poderia significar mudanças maiores para os republicanos.

A apuração mostra que a disputa está acirrada. Uma pesquisa recente da CNN constatou que a concorrência está dentro da margem de erro da pesquisa eleitoral, com 50% de apoio a Biden e 46% a Trump.

O estado também é sede de uma das disputas mais acirradas no Senado entre a Republicana Martha McSally e o Democrata Mark Kelly, que sempre teve uma vantagem na arrecadação de fundos. Recentemente, uma pesquisa da CNN apontou que o Democrata tem sete pontos percentuais de vantagem.

Mais Recentes da CNN