Saiba o que Trump pensa sobre Covid-19, segurança e meio ambiente

Em sua primeira campanha, em 2016, foi eleito presidente dos Estados Unidos, cargo que exerce desde janeiro de 2017

Donald Trump durante o último debate antes da eleição presidencial dos Estados Unidos
Donald Trump durante o último debate antes da eleição presidencial dos Estados Unidos Foto: Reprodução/CNN (22.out.2020)

Da CNN

Ouvir notícia

Donald John Trump, conhecido como Donald Trump, é o candidato do Partido Republicano a presidente dos Estados Unidos nas eleições gerais de 2020.

Trump é empresário e apresentador de televisão. Em sua primeira campanha, em 2016, foi eleito presidente dos Estados Unidos, cargo que exerce desde janeiro de 2017. Seu companheiro de chapa é o atual vice-presidente Mike Pence.

Saiba o que Donald Trump pensa sobre assuntos importantes para os Estados Unidos e para o mundo, como a Covid-19, a economia, a segurança pública e o meio ambiente.

Assista e leia também:

Trump e Biden correm contra o tempo para conquistar eleitores na reta final
Por que Arizona e Pensilvânia podem decidir a corrida presidencial americana
10 gráficos mostram como a economia se saiu com Trump ante os demais presidentes

Covid-19

Em janeiro, quando começou o surto de coronavírus, a Casa Branca formou uma força-tarefa que incluía o doutor Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, e a doutora Deborah Birx, coordenadora das Atividades de Combate ao HIV/AIDS do Governo dos Estados Unidos.

O Secretário de Saúde e Serviços Humanos Alex Azar declarou o coronavírus uma emergência de saúde pública nos Estados Unidos.

Em fevereiro, os Estados Unidos começaram a implementar restrições de viagens rigorosas em um esforço para conter a epidemia, que incluiu negar temporariamente a entrada de estrangeiros que haviam visitado a China nos 14 dias anteriores à sua chegada aos Estados Unidos.

Autoridades de saúde pública no governo de Trump pediram aos norte-americanos que praticassem o distanciamento social e usassem máscaras para retardar a disseminação do vírus, mas o próprio Trump tem relutado em usar máscara em público.

O presidente afirmou que não acreditava que fosse necessário tornar as máscaras obrigatórias em todo o país, mas disse em julho que ele é “totalmente a favor das máscaras” e que “acha que as máscaras são uma coisa boa”.

Trump repetidamente minimizou a necessidade de mais testes e disse aos apoiadores em um comício de junho em Tulsa, Oklahoma, que os testes para Covid-19 eram “uma faca de dois gumes”. “Quando você faz testes nesse nível, acaba encontrando mais pessoas (positivas)”, disse ele durante o comício. “Você vai encontrar mais casos. Então eu disse ao meu pessoal: ‘Diminuam os testes, por favor’”. 

Reforma da polícia

Trump se autodeclarou “seu presidente da lei e da ordem” em meio a protestos em todo o país contra o racismo sistêmico e a brutalidade policial nos Estados Unidos. Ele criticou os esforços para diminuir o financiamento de departamentos de polícia e disse que a polícia deve ser respeitada por seu trabalho.

Em junho, assinou um decreto para promulgar reformas modestas como forma de enfrentar o clamor sobre a brutalidade policial. O decreto inclui um programa de rastreamento que encorajará as localidades a enviar informações sobre policiais que foram demitidos ou julgados por usarem força excessiva.

O Departamento de Justiça também direcionará verbas federais para departamentos de polícia credenciados por limitarem o uso da força e banirem a prática de estrangulamentos, exceto quando a força letal for autorizada.

Trabalhando com autoridades federais de saúde, o departamento aumentará o treinamento em programas que combinam assistentes sociais com policiais para atender chamadas relacionadas à saúde mental e desabrigados.

A liderança política do Departamento de Justiça sob a administração Trump endossou uma política de policiamento que priorizou reprimir um aumento nacional no crime violento e elevar o moral dos policiais de rua, algo que a administração Trump alegou ter sido menosprezada na era Obama.

Crise climática

A decisão de Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo Climático de Paris (um acordo histórico de 2015 sobre metas de aquecimento global) foi um grande golpe para a resposta global à crise climática. A decisão enviou uma mensagem ao resto do mundo de que os EUA (que podem sair legalmente do acordo já em 2020) não iriam liderar a luta global contra as mudanças climáticas.

O chefe da Agência de Proteção Ambiental (EPA) de Trump disse que, embora acredite na mudança climática, ela não é uma prioridade. O governo reduziu a área de dois monumentos nacionais de Utah.

Também fez pressão para abrir para a exploração de petróleo e gás o Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico do Alasca e as águas ao longo das costas leste e do Pacífico. Sob a administração Trump, a EPA anunciou que não exigiria mais que as empresas de petróleo e gás instalassem monitores para detectar vazamentos de metano de novos poços, tanques e dutos.

Economia

A principal conquista da política econômica de Trump no cargo foi o corte de impostos de 2017, que reduziu drasticamente as taxas para indivíduos e empresas – mas levou a um aumento do déficit orçamentário federal para quase US$ 1 trilhão no ano fiscal de 2019, minando uma promessa de campanha de não apenas reduzir os déficits, mas eliminar a dívida nacional por completo no final de um segundo mandato.

Os cortes de impostos também contribuíram para um aumento recorde no mercado de ações, um dos indicadores econômicos favoritos de Trump, permitindo a executivos de empresas economizar impostos em recompra de ações que impulsionaram os preços dos papéis, recompensando os investidores.

Trump presidiu durante um período de alta no mercado de trabalho, com desemprego atingindo a maior baixa em 50 anos. Embora a perspectiva econômica dos EUA permaneça estável, Trump contribuiu para uma desaceleração global por meio de uma série de movimentos imprevisíveis no comércio, incluindo a imposição de tarifas contra aliados como a União Europeia.

Trump também se envolveu em uma guerra comercial de dois anos com a China, impondo uma série crescente de tarifas retaliatórias que atingiram os produtores rurais, importadores e fabricantes norte-americanos. Ele anunciou planos de se retirar do Acordo e Negociações de Parceria Transpacífico (TPP), um acordo comercial da era Obama entre vários países, logo após assumir o cargo em 2017.

Preferindo acordos bilaterais, ele assinou um novo pacto comercial com o Japão em 2019 – mas o documento não foi melhor para o setor agrícola norte-americano do que a Parceria Transpacífico teria sido.

Seu governo também renegociou o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), o pacto comercial com Canadá e México. Esses países já concordaram com o Acordo Estados Unidos-México-Canadá, mas o tratado está pendente de ratificação pelo Congresso dos EUA.

Educação

Trump, como presidente, prometeu consertar a questão das dívidas de empréstimos estudantis. Conforme determinado por um decreto presidencial, o Departamento de Educação publicou novos dados em novembro de 2019 sobre a renda e os níveis de endividamento dos formandos do ensino superior, com o objetivo de ajudar os alunos a tomar decisões de empréstimos mais conscientes, antes de escolherem as faculdades.

A Casa Branca também tornou automático o perdão de empréstimo para veteranos com deficiência e pediu ao Congresso que inclua um limite máximo para empréstimos estudantis. Em contraste, ele propôs repetidamente encerrar um programa de perdão de empréstimos estudantis para funcionários públicos, mas o Congresso rejeitou esses esforços.

O governo pressionou por um crédito fiscal para a escolha da escola, conhecido como “Bolsas de Estudo para a Liberdade na Educação”, com o qual os alunos poderiam frequentar escolas públicas ou privadas, incluindo as charters schools (escolas públicas com maior autonomia), fora de seus distritos.

Ele rescindiu uma série de políticas da era Obama, incluindo aquelas que promoviam a diversidade racial nas escolas e as proteções para alunos transgêneros em escolas públicas, que permitiam que eles usassem banheiros e outras instalações correspondentes às suas identidades de gênero. Trump também reverteu duas regras que deveriam responsabilizar as faculdades com fins lucrativos.

Violência armada

Após os tiroteios e chacinas durante sua presidência, Trump prometeu agir contra a violência armada, incluindo a expansão das verificações de antecedentes. Mas ele foi vago nos detalhes e apontou repetidamente a saúde mental e o ódio como os problemas por trás da violência.

Após a chacina de Las Vegas em 2017, Trump ordenou ao Departamento de Justiça que proibisse um dispositivo conhecido como bump stock, que permite disparos contínuos de rifles semiautomáticos. A proibição entrou em vigor em março de 2019.

O presidente apoiou as leis de “bandeira vermelha” sobre armas em nível estadual, que permitem a quem detectar sinais de alerta buscar ordens judiciais para intervir e impedir que alguém em crise tenha temporariamente acesso a armas de fogo.

Saúde

Trump fez campanha contra o Affordable Care Act (conhecido como Obamacare) na corrida para sua presidência. Embora o Congresso controlado pelos republicanos tenha falhado em revogar a lei, Trump tomou uma série de ações executivas para miná-la, incluindo tornar mais fácil para os norte-americanos acessarem políticas alternativas com menos proteções e benefícios.

O governo também está tentando invalidar a lei histórica de saúde por meios judiciais. Ele optou por não defender a lei. No lugar disso, o presidente se aliou a uma coalizão de procuradores-gerais republicanos que argumentam que o Affordable Care Act é inconstitucional porque o Congresso efetivamente revogou o mandato de cobertura individual.

O caso está agora sendo considerado por um painel de juízes de apelação, depois que um juiz distrital decidiu a favor da coalizão republicana em dezembro de 2018.

Em um movimento histórico, o governo está permitindo que os estados imponham requisitos de trabalho a certos usuários do Medicaid (o sistema de saúde acessível para cidadãos mais vulneráveis), embora um juiz distrital tenha impedido vários estados de fazê-lo e outros tenham suspendido seus esforços enquanto o assunto segue seu caminho pelo sistema legal.

Trump prometeu reduzir os preços dos medicamentos e revelou um plano para fazer isso em 2018. Contrariando as crenças republicanas de longa data, o presidente está pressionando para permitir a importação de medicamentos, especialmente do Canadá, e para vincular o preço das drogas nos Estados Unidos ao seu custo em outras nações desenvolvidas.

No entanto, vários de seus esforços foram frustrados, incluindo a exigência de que os fabricantes de medicamentos incluíssem seus preços de tabela em anúncios de TV, o que foi rejeitado por um juiz federal em meados de 2019.

Em um esforço para reduzir os custos gerais de saúde, o governo também emitiu uma regra exigindo que os hospitais publiquem as taxas que negociam em particular com as seguradoras de saúde, a partir de 2021. Uma coalizão de grandes grupos de hospitais tomou medidas legais para bloquear a exigência.

Imigração

Durante sua campanha de 2016, Trump propôs a construção de um muro ao longo da fronteira EUA-México e tornou isso um princípio de sua política de imigração como presidente. Após assumir o cargo, ele emitiu um decreto presidencial suspendendo a entrada de pessoas de vários países de maioria muçulmana por 90 dias; o decreto passou por várias iterações no tribunal antes de ser declarado constitucional.

A política de “tolerância zero” do governo em 2018 – impondo processos criminais contra adultos que cruzaram ilegalmente a fronteira – resultou em milhares de separações familiares na fronteira por causa da detenção dos pais. Sob uma ordem judicial, o governo deve identificar e reunir certas crianças separadas com suas famílias.

O presidente propôs um sistema de imigração baseado no mérito, estabelecendo um método baseado em pontos para titulares de green card e restringindo o apadrinhamento a cônjuges e filhos menores. Trump também encerrou oficialmente as proteções da era Obama para imigrantes sem documentos que foram trazidos para o país quando crianças, uma decisão que agora foi levada à Suprema Corte.

Mais Recentes da CNN